De acordo com a rede BBC e o Mail Online, um americano do Estado de Utah foi preso após ter matado a própria esposa durante um cruzeiro que o casal e suas três filhas estavam fazendo pelo Alasca. O que mais choca no caso é que Kenneth Manzanares (39) teria tirado a vida de sua mulher, Kristy Manzanares (39), porque ela não parava de rir dele na frente das crianças.

O #Crime ocorreu a bordo do navio Emerald Princess, que havia partido de Seattle, em Washington, transportando cerca de 3.400 passageiros no domingo (23) para uma viagem com uma semana de duração.

Por volta das 21h:00min da terça-feira (25), no horário local, o capitão do cruzeiro solicitou através de um intercomunicador que seguranças e médicos se dirigissem ao nono deck da embarcação, pois naquele andar estava ocorrendo um incidente que precisava de assistência.

Publicidade
Publicidade

Alguns passageiros disseram à Fox 13 que naquela mesma hora ouviram pessoas brigando e uma mulher gritando por sua vida – instante em que a voz do comandante pôde ser ouvida pedindo auxílio.

A cena do crime

A BBC relatou que uma testemunha entrou na cabine do casal [VIDEO]antes mesmo que a equipe de contenção pudesse chegar ao local, e esta pessoa (um homem cuja identidade não foi revelada) afirmou que viu Manzanares arrastando o corpo de Kristy para a varanda do deck com o intuito de se livrar do cadáver, jogando-o no mar. O espectador da terrível cena resolveu reagir, segurou a mulher pelos tornozelos e puxou-a de volta, e quando perguntou ao acusado o que havia acontecido, ele simplesmente respondeu: "Ela não ia parar de rir de mim".

Assim que os seguranças entraram no quarto viram que Manzanares estava com as mãos e as roupas sujas de sangue, e constataram que Kristy possuía ferimentos graves na cabeça.

Publicidade

Médicos entraram em ação, mas vinte minutos após a descoberta do incidente, a mulher foi declarada oficialmente morta.

Investigações

Quando o Emerald Princess atracou na quarta-feira (26) em Juneau, no Alasca, agentes do FBI embarcaram para investigar a cena do crime – a agência federal afirmou publicamente que este tipo de intervenção é necessária em todos os casos ocorridos em águas internacionais ou pertencentes aos Estados Unidos. Além disso, um porta-voz da entidade confirmou que outros membros da família de Kenneth e Kristy estavam no cruzeiro, mas os detalhes sobre eles não foram revelados.

Autoridades locais levaram o acusado sob custódia, e de acordo com a polícia, durante um interrogatório ele teria dito: "Minha vida acabou". O homem permanece preso em Juneau, mas na quinta-feira (27) fez sua primeira aparição no tribunal de Anchorage através de uma videoconferência, onde apareceu chorando.

O caso continua em andamento. #EUA #Investigação Criminal