Milhares de pessoas se reuniram hoje em Yemen, capital rebelde [VIDEO] do país, para testemunhar e tirar fotos da #execução pública de #Mohammed al-Moghrabi.

O homem é forçado a deitar no chão. Momentos depois, ele foi morto a tiros quando a multidão aplaudiu. O pedófilo e assassino foi morto por uma espingarda.

O homem de 41 anos foi condenado à morte por seus crimes doentios cometidos em 25 de junho por um tribunal administrado pelos rebeldes xiitas Huthi que controlam a cidade.

O crime horrível coincidiu com o primeiro dia de Eid al-Fitr, o feriado muçulmano que marca o fim do mês sagrado do Ramadã e provocou raiva entre a população.

Publicidade
Publicidade

Moghrabi recebeu pela primeira vez 100 cílios e depois ficou deitado de forma plana, o rosto no chão e morto por vários tiros pelas forças de segurança - para agradar a multidão.

Não se sabe se o castigo foi administrado de acordo com a lei da Sharia, mas os Huthis defendem o retorno aos primeiros ensinamentos do Islã guiados por tais ensinamentos. A polícia disse que o escoltaram para a Praça Tahrir, onde foi executado no meio dos temores de que a multidão irritada pudesse linchá-lo.

A execução pública foi amplamente divulgada em meios de comunicação de Huthi no Iêmen, emoldurado como um exemplo dos esforços dos rebeldes xiitas para combater o crime em suas áreas.

Ahya al-Matari, o pai da menina, disse aos repórteres após a execução que ele sentia-se como se tivesse renascido: "Este é o primeiro dia da minha vida", disse ele.

Publicidade

"Estou aliviado agora".

O homem aterrorizado grita quando é forçado ao chão.

Um agente de segurança tenta controlar a grande multidão.

O condenado é levado para fora da van.

O criminoso de Mohammed al-Moghrabi provocou fúria entre os iemenitas.

A multidão filmou a execução em seus celulares.

O Huthis, apoiado pelo Irã, foi travado em guerra com o governo internacionalmente reconhecido do presidente Abedrabbo Mansour Hadi, do Iêmen, durante dois anos.

Mais de 8 mil pessoas foram mortas no conflito, enquanto quase 2.000 morreram de cólera desde abril.

As Nações Unidas descreveram o Iêmen como "a maior crise humanitária do mundo", com 10 milhões de civis com necessidade aguda de ajuda para salvar vidas, à medida que o país está à beira da fome. #Estupro