Você já deve ter ouvido falar na chamada "bactéria que come carne humana" [VIDEO], não é verdade? Pois é, vira e mexe um caso do tipo ganha a mídia, mas mesmo assim ainda choca muita gente. A jovem inglesa Kate Widdowson, de 23 anos, faleceu após uma relação sexual com o namorado. Kate teve os pulsos amarrados durante o ato íntimo e, ao acordar, viu que o pulso estava muito inchado. O casal correu para o hospital, mas foi liberado na sequência. Um dia depois, ela morreu vítima da bactéria, que tomou conta do seu corpo.

Família critica médicos por falta de atenção à paciente morta por bactéria

O caso aconteceu na pequena cidade de Birminghan.

Publicidade
Publicidade

Ao chegar ao hospital local, Kate apenas recebeu o diagnóstico de pulso torcido. Os médicos deram analgésicos para passar a dor da moça e, em seguida, a mandaram de volta para casa. A situação piorou na vida da jovem que, já no dia seguinte, não conseguia sequer mexer o pulso. Além disso, o seu pulso estava preto. O braço inteiro já estava cheio de bolhas. A família acusa o hospital inglês de negligência e pode agora até processar a unidade.

Jovem morreu de ataque cardíaco a caminho do hospital

A família bem que tentou salvar a jovem inglesa, mas já era tarde. Ela acabou falecendo à caminho do hospital. Kate teve um ataque do coração. Uma perícia feita no corpo da jovem descobriu que ela estava com a 'Fasciíte Necrotizante', uma doença que é conhecida também por o paciente ter os seus tecidos "comidos" por uma bactéria.

Publicidade

Essa enfermidade costuma ser grave e, no geral, ocorre após um pequeno corte na pele, quando a pessoa é atingida por uma ou mais bactérias.

Assistente de hospital diz que jovem morta por bactéria que come carne ainda poderia estar viva

Trish Widdoswon, mãe da vítima, está inconformada com tudo o que aconteceu com sua filha. Ela culpa o hospital pelo sofrimento que a garota acabou passando. O atendimento da mulher foi feito por um médico indiano considerado 'inexperiente' e a família agora o acusa de negligência. Uma assistente do hospital, identificada como Emma Brown, confirma que, caso a jovem tivesse sido operada a tempo, poderia ainda estar viva.

Morte ocorreu após jogo sexual com namorado

Dean, namorado da jovem, confessou à família e a imprensa que os dois eram muito próximos e gostavam de brincar durante as relações. Ele afirma que, um dia antes da moça descobrir o problema, a amarrou na cama, a seu pedido, para 'apimentar' a relação. O jovem disse que estava bêbado naquela noite e não se lembra de mais detalhes do ocorrido. #Crime #Saúde