Linda Wenzel, de 16 anos, é uma jovem de origem alemã que esta sendo julgada pela #Justiça de Mossul, no Iraque Ela se converteu ao grupo terrorista #Estado Islâmico no início de 2016. Linda, que nasceu em uma família protestante, nunca apresentou interesse a respeito da religião islâmica. A mãe relatou que a filha nunca havia apresentado qualquer tipo de comportamento diferente, mas Linda disse a sua família no início de 2016 que tinha um interesse em estudar o Alcorão.

Antes de ser dada como desaparecida, a menina relatou a mãe que iria dormir na casa de uma amiga. Porém, ela estava indo ao encontro de um jovem muçulmano que havia conhecido através da internet, se apaixonado e logo depois se casou com ele.

Publicidade
Publicidade

Linda, que foi dada como desaparecida, foi encontrada presa no Iraque na semana passada. No sábado (22), a imprensa confirmou a prisão pelo Exército iraquiano de Linda e mais três jovens alemãs. A adolescente havia sido encontrada presa em um túnel repleto de armas e cintos suicidas. Linda foi achada com mais 20 mulheres, todas integrantes do grupo de combatentes do Estado Islâmico.

A justiça da Alemanha está tentando reverter o julgamento das quatro meninas alemãs, que poderão ser condenadas à pena de morte por terem se convertido ao Estado Islâmico. Caso a justiça alemã consiga a extradição das jovens, elas serão julgadas pelo delito de se juntar a um grupo terrorista, o que pode resultar em anos de prisão no país natal.

As emissoras de TV da Alemanha e o jornal Sueddeutsche Zeitung foram até o local onde Linda Wenzel se encontra e a entrevistaram.

Publicidade

Ela estava em uma enfermaria de um complexo militar em Bagdá, recebendo apoio consular. A jovem se encontra muito abalada com a situação e disse que só queria sair dali, ir para casa e ver sua família. Ela concluiu dizendo que queria fugir da guerra, das inúmeras armas que se encontravam ali e do barulho.

A mídia alemã relatou que a jovem se mostra arrependida por ter se juntado ao Estado Islâmico e que estava disposta a cooperar com as autoridades iraquianas. As notícias da jovem alemã presa repercutiram na internet por meio de sua aparência, já que se encontra pálida e com um lenço em volta de seu pescoço. Linda também estava rodeada de soldados iraquianos.

A revista alemã Der Spiegel constatou que nos últimos anos centenas de alemães saíram do país para se juntar ao Estado Islâmico. A revista descobriu também que cerca de 200 mulheres se uniram ao grupo de batalha jihadista. #Terrorismo