Nesta sexta-feira (7), uma mulher que está sendo acusada de matar o marido e quatro de seus cinco filhos esfaqueados demonstrou um comportamento extremamente bizarro momentos antes da primeira audiência de seu caso em Atlanta, nos Estados Unidos. Isabel Martinez (33), uma mexicana que entrou ilegalmente em território americano, sorriu para as câmeras que registram as sessões do tribunal do Condado de Gwinnett, fez sinal de positivo com os polegares – o famoso "joinha" –, ajoelhou no chão, colocou as mãos em posição de oração, e depois ainda afirmou que não queria um advogado para defendê-la.

O #Crime aconteceu na quinta-feira (6), e foi relatado à polícia através de uma ligação feita às 04h47min da manhã.

Publicidade
Publicidade

Acredita-se que a denunciante – uma mulher que falava espanhol – seria a própria Martinez, que disse ao telefone que queria denunciar um caso de esfaqueamento.

Apenas uma das filhas da acusada – Diana Romero, de nove anos de idade – sobreviveu à violenta investida. No entanto, as autoridades revelaram que o estado de saúde da criança, que está hospitalizada, é considerado grave. As vítimas fatais são Martin Romero (33 anos, e esposo da acusada), Isabela Martinez (10), Dacota Romero (7), Dillan Romero (4) e Axel Romero (2).

Atuando para as câmeras

Durante a audiência, no momento em que o juiz do caso, Michael Thorpe, estava listando as sérias acusações de assassinato e ataque agravado contra Martinez, ela sorriu novamente e fez sinal de "não" com a cabeça e com um dos dedos. Thorpe pediu à mexicana para que ela parasse de "atuar para as câmeras", advertindo que aquilo não era uma boa ideia e que provavelmente não a beneficiaria.

Publicidade

Quando o magistrado informou à mulher sobre o seu direito de ter um advogado, a acusada afirmou, através de um intérprete de língua espanhola, que não desejava um, acrescentando depois que os seus defensores sempre serão o seu povo e a sua fé.

Vizinhos não desconfiavam de nada errado

Em um comunicado, a polícia do Condado de Gwinnett afirmou que talvez nunca seja possível entender o motivo que leva uma pessoa como Isabel Martinez a tirar a vida de crianças inocentes, e que um crime de tal magnitude não afeta só as vítimas, mas também seus parentes, o bairro onde vivem e a comunidade a que pertencem.

Segundo a rede de notícias CBS, alguns dos vizinhos da família – que havia se mudado recentemente para o pequeno bairro de Loganville, onde a maioria dos residentes possui origem hispânica – disseram que não suspeitavam de nada anormal na casa onde o crime aconteceu até a chegada das autoridades ao local. #EUA #Investigação Criminal