Pessoas enfurecidas são capazes de tomar algumas decisões incorretas, principalmente quando optam por fazer #Justiça com as próprias mãos, como este que aconteceu na Índia. Infelizmente, os índices de violência crescem em todo o mundo e casos de #Linchamento estão se tornando ainda mais comuns.

Contudo, este tipo de ação pode promover grandes injustiças e a morte de inocentes, principalmente quando a ira da população é baseada em um boato ou mesmo em acusações falsas. De acordo com o portal R7, Otera Bibi, de 42 anos, foi acusada erroneamente pelo pai de uma criança que havia sofrido uma tentativa de sequestro, na cidade de West Bengal, localizada na Índia, local onde aconteceu o linchamento.

Publicidade
Publicidade

A mulher, além de inocente, tinha problemas mentais.

Barbaridade

Otera Bibi foi mais uma vítima da intolerância e da sede de justiça. A mulher, que foi acusada injustamente de ter cometido o sequestro, foi amarrada em um trator por moradores de West Bengal. Em uma praça pública, ela teve seus cabelos cortados, a cabeça raspada e as roupas foram rasgadas, na tentativa de infringir a ela a maior humilhação possível. Durante três horas, ela foi agredida com pauladas e pedradas pelos populares.

A mulher desesperada tentava se defender e se comunicar com seus agressores, porém, por ter deficiência mental, Otera não conseguia pronunciar as palavras de forma a se fazer entender. Todas as suas tentativas foram em vão.

Segundo o jornal India Today, a mulher chegou a ser socorrida, encaminhada para um hospital da região, mas não resistiu aos ferimentos impostos a ela pela população ensandecida.

Publicidade

O pai da criança reconheceu que fez a acusação em um momento de desespero, mas que a vítima do linchamento realmente não era a mulher que tentou levar sua filha de 10 anos.

As autoridades locais prenderam várias pessoas acusadas de participarem do linchamento e morte de Otera, mas nenhum morador ainda foi acusado pelo crime bárbaro. De acordo com a #Polícia de West Bengal, as investigações irão continuar para que o crime seja esclarecido e os responsáveis punidos.

Justiça com as próprias mãos

É evidente que ninguém em sã consciência vai defender um sequestrador, ainda mais envolvendo uma criança. Contudo, não se pode julgar e condenar seja lá quem for, baseado em acusações superficiais e até mesmo feitas no calor da emoção.

Para isso existem as leis, a Justiça e os tribunais. Infelizmente, a Justiça morosa e a impunidade deixam as pessoas até mesmo céticas, mas isso não dá o direito de decretar a pena de morte.