Durante reunião do G20 que ocorreu em Hamburgo, na Alemanha, e quereuniu as maiores potências econômicas do mundo, o pontífice Católico, #Papa Francisco, através de uma carta aproveitou para reiterar hábitos que as nações devem tomar para o início de uma nova era em desenvolvimento.

O líder da #Igreja Católica se baseou em princípios do livro exortação Evangelii Galdium, escrito por ele mesmo, no qual citou: "O tempo é superior ao espaço; a unidade prevalece sobre o conflito, a realidade é mais importante do que a ideia; e o todo é superior às partes."

As ações rendem mais frutos do que ideologias

Para o Papa, as ideologias construídas durante o século passado estão sendo deixadas para trás e sendo substituídas por princípios que guiam os governos a terem autonomias financeiras.

Publicidade
Publicidade

Sendo assim, é necessário que através do diálogo busquem soluções que beneficiem as partes em comum.

A união é necessária para que haja desenvolvimento a todos

O Papa Francisco citou as guerras que marcaram o século passado e ainda hoje rendem cicatrizes. Pediu para que usem o diálogo como base para resolver conflitos ao invés do confronto armado, pois, segundo ele, as guerras bélicas não resolvem nada, apenas criam mais ódio e rancor.

“É uma trágica contradição e incoerência a aparente unidade em fóruns econômicos e sociais e a persistência de conflitos bélicos”, comentou Francisco.

O Papa também não deixou de citar a crise dos refugiados sírios, disse que os conflitos políticos possuem uma complexidade enorme, comparada à busca pela paz. Porém, em contrapartida, não deixou de dizer que só com o diálogo e a compreensão será possível que as mudanças, em um curto espaço de tempo, comecem a aparecer.

Publicidade

Ao fim da carta, cobrou dos governantes que esqueçam as suas ''bandeiras políticas'' para que como uma só unidade procurem o bem mútuo e ao alcance de todos: “Em seus corações e mentes, é necessário dar prioridade absoluta aos pobres, aos #Refugiados, aos deslocados e aos excluídos, sem distinção de nação, raça, religião ou cultura, e rejeitar os conflitos armados."

A bênção do Papa para o congresso

Ao fim da carta, após elogiar os governos que seguem os tratados internacionais, o Papa parabenizou a todos líderes que participaram da reunião, pela iniciativa e atitude de todos. Por fim, Francisco desejou a bênção de Deus sobre o congresso e todos que estavam presentes no congresso em Hamburgo.