Três mulheres compareceram perante um tribunal acusadas de abusarem sexualmente de um #Pastor. O crime aconteceu depois que o sacerdote foi até a casa onde elas moravam cobrar uma dívida. Um tribunal de magistrados em Bulawayo, no Zimbabwe, ouviram sobre como o pastor foi agarrado e forçado a se deitar em uma cama e depois despido. Agora o caso é tratado como #Estupro.

Sandra Ncube, 21, Riamuhetsi Mlauzi, de 23 anos, e Mongo Mpofu, 25, agora estão sendo acusadas de agressão indecente agravada. O procurador Petros Shoko disse que o pastor, que não teve seu nome divulgado para evitar comentários desagradáveis sobre ele, dirige uma igreja em Cowdray Park.

Publicidade
Publicidade

Segundo o procurador, a vítima teria ido procurar as mulheres para pedir que elas pagassem o dinheiro que estavam lhe devendo, quando foi convidado a entrar na casa. Então, já dentro da casa ele alegou que foi agarrado por uma mulher ao redor da cintura e suas calças foram puxadas para baixo, enquanto outra mulher o acariciava.

"No dia 14 de julho às 7 horas, o pastor foi à residência das acusadas para cobrar dinheiro que Mlauzi devia. Elas o forçaram a deitar-se na cama e tiraram suas roupas. Ncube sentou-se no peito dele e ele tentou afastá-la. No entanto, Mlauzi segurou suas pernas juntas e sentou-se em cima pressionando-o contra a cama", relata o procurador.

Ele continua: "Mpofu estava em outro quarto e trouxe preservativos e ajudou a mantê-lo preso. Ncube teve relações sexuais com a vítima uma vez sem o seu consentimento", disse Shoko.

Publicidade

As três negaram terem estuprado o pastor mas admitiram agressão indecente. "Nós estávamos apenas brincando. Eu não pensei que ele iria levar a sério", disse Ncube.

Mpofu negou que participou, mas admitiu ter trazido os preservativos: " como ele estava lá por que não usar esses preservativos?", questionou ela. Mlauzi disse que apenas queria "consertar" o pastor, ela afirmou que ele tem um hábito de espiar as mulheres quando estão tomando banho. "Ele sempre me olha quando estou tomando banho. Eu só queria ver se ele seria despertado ou não", diz a jovem.

"Eu não planejei executar toda a violação, só queria provar ao pastor que ele tinha sentimentos como todos os outros. Eu queria que ele visse que ele não era especial e não era imune à excitação sexual. Quando eu toquei nele, ele imediatamente despertou e isso é tudo o que queríamos ver", relata Milauzi.

A vítima foi encaminhada ao Hospital Central de Mpilo para um exame médico e o relatório será levado para os magistrados. Todas as três foram detidas até o dia 7 de agosto para um julgamento completo.