Donald #Trump não cansa de virar notícia pelos jornais. Em mais um de seus episódios, o presidente dos Estados Unidos agora é tema de cafeteria em um dos países mais muçulmanos do mundo.

Saiful Islan, o empresário que decidiu abrir o negócio, afirma que teve que brigar com as autoridades de Bangladesh para convencê-las de que o #Presidente americano não tinha nada a ver com seu negócio.

"Tive que convencê-los de que o presidente Trump não tem interesse direto em Bangladesh. Finalmente, me deram a licença em 17 de janeiro, três dias antes da posse" presidencial, indicou.

Saiful Islan é um seguidor declarado do polêmico presidente americano em um país de 160 milhões de pessoas, 90% delas muçulmanas.

Publicidade
Publicidade

O proprietário afirma que ainda falta ajustes para que a cafeteria fique à altura de suas expectativas.

"Ainda faltam alguns ajustes. Assim que terminar, vou inaugurá-la em grande estilo. Convidarei a embaixadora americana", disse Saiful à Agência Efe.

A cafeteria não apresenta muitas novidades em relação à outras já existentes, o foco da atenção, de fato, é a figura de Trump estampada num papelão, no meio do estabelecimento.

Cardápio

O curioso disso tudo, além do já relatado, é o cardápio da nova cafeteria. O cliente que chega, realmente se sente no território americano, ou melhor, se sente na casa do presidente. Dentre suas mais variadas opções, há uma semelhança: o nome de Trump nos itens do cardápio.

O freguês pode experimentar o "coquetel Trump", feito de xarope de morango, refrigerante, suco de limão e gelo.

Publicidade

Como opção para os vegetarianos, o cardápio tem a "salada Trump" e também o "Chopsuey Trump".

Uma nova visão do presidente

O proprietário, com a nova ideia, tenta convencer os clientes de que Trump não é má pessoa e antimulçumano.

"A proibição de viagem é para cidadãos de países problemáticos e não acredito que afete os bengalis", disse o empresário.

"Sua primeira viagem foi a um país muçulmano, as pessoas agora entendem que não é um cara mau", disse.

Os clientes parecem aprovar o ambiente da cafeteria. É o caso de Priyanka Nandi, que visitou o café pela primeira vez e disse que está "entusiasmada" em ter Trump "por toda parte".

Já Fariah Jahan, inclusive, fez uma 'selfie' com o cartaz de Trump na entrada.

"Não é só Trump; o preço da comida é razoável", explica.

Saiful diz que já está dando 10% de desconto a estudantes, e pretende lançar um clube de clientes do local para que possam aproveitar novas ofertas.

Uma vantagem que todos os visitantes já têm é a do acesso à rede wi-fi "trumpcafe", que pode ser acessada com a senha "ivankatrump". #Estados Unidos