A morte da pequena Katie Rough, de sete anos de idade, chocou o #Reino Unido. A repercussão do assassinato da garotinha por uma adolescente de 16 anos foi tamanha que até a primeira-ministra Theresa May veio a público expressar suas condolências. Agora a adolescente vai a julgamento.

Nessa segunda-feira (3), a adolescente que sufocou Katie, de apenas 7 anos, e a esfaqueou quando estavam brincando numa área verde perto de sua casa. Foi a própria adolescente, quem ligou para a polícia para contar que uma menina estava morta na rua.

Nessa segunda-feira, a adolescente apresentou-se no Tribunal de Leeds acompanhada de um advogado, declarando-se culpada pela morte da pequena Kate.

Publicidade
Publicidade

Ela foi acusada de homicídio culposo (sem intenção de matar), mas com a responsabilidade penal diminuída, por se ter comprovado que a jovem sofre de distúrbios psicológicos.

A confissão da garota foi feita através de um vídeo apresentado ao juiz, segundo o jornal Daily Mail, onde ela aparece com um capuz preto e com uma das mãos cobrindo a boca enquanto falava. A defesa argumentou que a jovem sofre de surtos psicóticos, e que ela pensava que as pessoas não eram de verdade e sim "robôs".

A promotoria alegou que a jovem de 16 anos havia premeditado tudo, pois encontrou em seu quarto várias evidências de que ela vinha planejando a morte de alguém. Um leão de pelúcia teve suas orelhas cortadas e depois enfiadas em sua barriga, enquanto desenhos de natureza violenta foram também encontrados.

Publicidade

Um desses desenhos foi achado cortado na cena do crime junto com a faca utilizada, uma "Stanley" bem afiada.

Analisada por psicólogos forenses, o diagnóstico é de que a garota de 16 anos foi aos poucos se fechando em si mesma, sendo de difícil contato, pois ela não se abria com ninguém. Na escola, o seu único amigo, entrevistado pela polícia, disse que ela foi aos poucos se afastando do grupo de amigos e que só falava de coisas relacionadas com a morte e suicídio. Afirmou também que ela dizia escutar "vozes". Segundo os psicólogos, ela não sofre de nenhuma psicose, mas tem o pensamento perturbado ao pensar que as pessoas não são humanas.

Um dia antes do crime, a ré tinha publicado no Instagram uma foto em que aparece com os braços cortados e uma mensagem afirmando que não estava "mentalmente sã". A jovem passava por tratamento com antidepressivos desde 2015, pelo seu comportamento suicida. Quando foi encontrada após ter tirado a vida de Katie, ela só sabia dizer que ela estava morta mas não sabia como.

Publicidade

Durante a audiência, Paul e Alison Rough não se manifestaram, pois já sabiam previamente da acusação. Segundo a autópsia, a pequena Katie sofreu os golpes de faca depois de morta, tendo sido sufocada pela adolescente de 16 anos, que usava luvas. Depois que matou, desferiu dois golpes, um no tronco, de 20 centímetros, e outro no pescoço, de 6 centímetros. O juiz adiou a sentença até 20 de julho, pedindo mais exames psicológicos.

Katie morreu apenas duas semanas depois de ter carregado as alianças para o casamento dos seus pais. #criança #robo