Ainda não terminou o 'inferno' da #Família Gomes, na Inglaterra. Depois de terem ficado sem a casa, no #Incêndio da torre Grenfell, em #londres, eles vivem agora com o sofrimento de terem perdido o bebê, que ainda não havia nascido. Andreia estava grávida de sete meses e o seu bebê nasceu morto, depois de ela ter ficado em coma, por causa do incêndio. O coraçãozinho do bebê não resistiu e foi Márcio Gomes, o pai, quem teve que autorizar o parto, enquanto sua esposa estava em coma medicamente induzido. Também foi ele quem teve que dar a triste notícia para toda a família, incluindo para Andreia, assim que ela acordou. A família chora a morte do bebê, mas conseguiram se salvar, junto com suas duas filhas, sobrevivendo a um incêndio que matou 80 pessoas, no dia 14 de junho.

Publicidade
Publicidade

Não param de aumentar os contornos de uma infeliz tragédia. Foi uma explosão de uma geladeira, em um apartamento, que fez perder a vida a 80 pessoas e a destruição de centenas de casas, em uma torre gigante, na cidade de Londres. O incêndio se iniciou no quarto piso, já depois da meia-noite, e o problema maior ocorreu quando as chamas começaram a subir, pelo exterior do prédio, por este estar revestido com matéria inflamável. Foram muito poucas as pessoas que sobreviveram nos apartamentos mais altos. Primeiro, porque muitos deles já estavam dormindo e depois porque eles foram alertados para permanecerem dentro de suas casas.

Os portugueses Márcio e Andreia viviam no 21º andar, junto com suas filhas, Luana e Megan, e foram, possivelmente, a única família que conseguiu sobreviver nos andares de cima.

Publicidade

Márcio acordou com a chamada de amigos portugueses, pedindo para eles descerem rápido. Mas, como Andreia estava grávida, Márcio tentou ser mais prudente. Ele contatou as emergências, que pediram para eles aguardarem, em segurança, dentro do apartamento, de acordo com suas declarações, citadas pelo jornal Daily Mail.

Já passava das 4h30 da manhã, quando ele percebeu que esperar não seria a solução e tentou salvar a sua família. É ele um dos heróis dessa tragédia. O português Márcio pegou em toalhas e lençóis molhados e cobriu sua mulher e filhinhas e atravessaram esse inferno. Márcio contou como eles pisaram várias pessoas mortas pelo caminho, enquanto desciam essas escadas intermináveis. Foi já mais perto da saída que a filha Luana, de 12 anos, desmaiou com a fumaça. Márcio agradece para os bombeiros, que conseguiram tirar a menina, que ficava desmaiada para trás.

Todos eles foram assistidos no hospital, por terem inalado muita fumaça e Andreia teve que ser induzida em um coma, que revelaria, pouco depois, que seu bebê, Isaac, estava morto.

Publicidade

Correndo o risco de uma infeção se generalizar pelo corpo de Andreia, foi Márcio quem primeiramente pegou no filhinho, já sem vida. "Eu estava segurando ele, ele parecia pacifico, como um bebê que estava apenas dormindo. Eu queria estar com ele, mas ele já havia morrido", contou Márcio Gomes, para o Sunday Telegraph.

Apesar de toda a tragédia, Márcio, Andreia e as filhas Luana e Megan já se recuperaram dos ferimentos provocados pelo incêndio. As feridas psicológicos vão demorar mais tempo para curar.