Estudar o #Espaço é uma atividade essencial para que a humanidade possa conhecer os fenômenos que regem as leis do ainda desconhecido universo espacial. Em se tratando de estudar o espaço, fora idealizada, em associação global de vários países, a Estação Espacial Internacional (ISS), um mega laboratório espacial, onde cientistas estudam o comportamento de materiais e seres sob a influência de gravidade próxima de zero.

Das primeiras viagens ao espaço por módulos espaciais com retorno em mergulho até os ônibus espaciais reutilizáveis, a evolução tecnológica para o espaço não para. A tecnologia dos ônibus espaciais desenvolvida na década de 1970 trouxe uma grande inovação: a característica de serem lançados verticalmente como os foguetes e pouso como avião, sem potencial destrutivo.

Publicidade
Publicidade

Atlantis, Columbia, Challenger, Discovery e Endeavour foram ônibus que realizaram boa parte da construção da Estação Espacial Internacional (ISS), além de realizar reparos no telescópio Hubble, e retornavam à Terra intactos. Na época, uma grande e econômica inovação na construção de aeronaves.

Os primeiros ônibus espaciais foram todos substituídos devido aos mais de 30 anos de voo e fatores de segurança. A medida gerou um problema para os norte-americanos, europeus e japoneses, que ficaram dependentes dos russos para levar seus astronautas ao espaço.

A solução era construir uma nova nave. Prevista para terminar antes de 2016, porém, a #Nasa deixou claro ao Congresso que não conseguiria terminar o projeto na data prevista.

O novo ônibus espacial

Superando os desafios, um novo modelo de nave foi idealizado pela Sierra Nevada Corporation.

Publicidade

É o Dream Chaser, cuja tradução literal é Caçador de Sonhos.

Inicialmente o novo ônibus espacial terá, as mesmas funções das naves anteriores. O Dream Chaser pode encaixar em pleno espaço na ISS com facilidade para transportar materiais e passageiros.

Foi criado em duas versões, a tripulada e não tripulada (para cargas). A versão tripulada pode levar até sete passageiros e a versão não tripulada pode levar até 5,5 toneladas de carga útil. As naves farão a logística de materiais e suprimentos para manter as atividades da ISS.

A primeira bateria de testes será comandada pelo Centro de Pesquisa Armstrong da Nasa mediante missões não tripuladas. Será imprescindível para o transporte de carga para a ISS, estação que está a aproximadamente 400 quilômetros da Terra, composta por 15 módulos e seis passageiros trabalhando no espaço.

A humanidade avança nesta grande navegação espacial para descobrir o universo e suas formas de vida.