Os filmes de sucesso de Hollywood sobre o “Armagedom”, 3ª Guerra Mundial ou final do mundo parecem querer sair do contexto de ficção e vir para a realidade diária de todos os habitantes do planeta [VIDEO]. Ao menos no que depender de certos políticos e líderes mundiais, isso é uma verdade.

Tanto é assim que inúmeras notícias quentes do momento dizem respeito à atmosfera inflamável que paira sobre a Península Coreana e que tem chance de explodir em vários países, tendo consequências imagináveis até esse momento na história humana.

Por exemplo, o “Global Times”, que é um respeitado jornal da #China, veiculou uma matéria em que relata que o governo Pyongyang, na #Coreia do Norte, não deve pensar que terá o socorro chinês, se partir dele o ataque às forças armadas dos Estados Unidos.

Publicidade
Publicidade

Por sua vez, o mesmo editorial também mandou o recado da China para a Coreia do Sul e para os EUA, de que esse país continental asiático não permitirá que o sistema político vigente na Coreia do Norte seja mudado, ou menos ainda, extinto.

Foi dado destaque pelo Global Times à frase de retórica do presidente norte-americano, Donald Trump, [VIDEO] de que a Coreia do Norte será tratada com “fogo e fúria, como o mundo nunca viu".

A fala do controverso Trump logo provocou a resposta direta do governante Kim Jong-um, o qual revelou que, se for atacado, já possui um plano de contra-ataque com mísseis balísticos à ilha de Guam, uma espécie de território ultra-marino dos EUA, que abriga a base aérea de Andersen, onde estão os estratégicos bombardeiros B-52.

Paralelamente, Ba Dianjun, que é dirigente do “Centro de Estudos do Nordeste Asiático”, da Universidade chinesa de Jilin, fez questão de salientar à imprensa que a China tem o dever moral de ir em socorro da Coreia do Norte, se por acaso ela for alvo de ataque dos nortes-americanos.

Publicidade

Tanto a China quanto a Rússia são sérios opositores a qualquer conflito envolvendo a Coreia do Norte, na medida em que isso desestabilizaria aquela parte do mundo. Essas duas super-potências não apadrinham a Coreia do Norte, mas são sim contra as provocações e monopólio dos Estados Unidos no Pacífico.

O especialista russo pertencente ao “Instituto do Oriente Médio”, Konstantin Asmolov, referindo-se ao artigo do Global Times, também acredita que a China irá castigar toda e qualquer nação que piorar o empasse na região em torno das duas Coreias.

Vale lembrar, segundo o russo, que os EUA estão se valendo da mesma forma de operar que se utilizaram na guerra do Iraque, cujo conflito teve início sob o pretexto mentiroso de se defender a democracia [VIDEO]para os iraquianos e de que Saddam Hussein não passava de um déspota tirânico.

Como foi comprovado com o passar do tempo, o Iraque não tinha nem uma cápsula que pudesse ser considerada arma química.

O que aconteceu de pior com o Oriente Médio, Norte da África e Ásia Menor após as inúmeras incursões dos Estados Unidos, todo mundo já sabe. #Donald Trump