Publicidade
Publicidade

De acordo com uma proposta obtida pelo Military Times , o fundador da Blackwater, Erik Prince, está tentando convencer o governo do Afeganistão a usar #Força Aérea privada, obtendo apoio aéreo, maior capacidade militar e coleta de dados para inteligência. A proposta foi lançada ao governo afegão em março, através de uma empresa chamada Lancaster6, liderada pelo CEO Christiaan Durrant, ex-piloto da Força Aérea Australiana e ex-diretor de operações do Frontier Services Group, empresa fundada por Prince após vender sua antiga empresa, a Blackwater. Durrant anteriormente executou a "divisão de aviação especial da FSG", segundo fontes do Intercept, em 2016.

Publicidade

Não estão ainda claros, os objetivos de Prince com a Lancaster6 embora um oficial militar afegão tenha dito ao The Military Times que Prince apresentou pessoalmente a proposta da força aérea privada.

Tal proposta ao governo afegão inclui pilotos que atendem pequenos aviões de hélice, helicópteros, aviões de transporte leve, aviões e jatos Skyhawk A-4 – aviões para ataque leve da era do Vietnã que podem disparar mísseis, bombas e munição de metralhadora. Além de também fornecer evacuação imediata para médicos e artilheiros.

O relatório do Military Times vem menos de um mês depois que o New York Times informou que Prince tentou apresentar um plano para o Pentágono que substituiria a maioria das tropas americanas no Afeganistão por contratados privados [VIDEO]. Tal proposta foi recusada pelo Secretário de Defesa, Jim Mattis.

Publicidade

Enquanto as autoridades afegãs apreciam a perspectiva de um impulso para o seu poder aéreo, alguns se preocupam com a perspectiva de um exército contratado jogar nas mãos dos recrutadores Talibãs, que enquadrariam a guerra como uma contra invasores #Mercenários.

Segundo Prince, seus homens estariam embutidos com homólogos afegãos e aviões marcados com insígnias afegãs, por isso não seriam "mercenários" de acordo com a definição da ONU, mas sim como parte do exército afegão.

O embaixador afegão, Hamdullah Mohib, disse que o governo afegão ainda não teria avaliado: "Estamos reservando o julgamento até que haja uma decisão de política formal", disse ele, advertindo que os atrasos estão dificultando os esforços para trazer a paz no #Afeganistão.

"Qualquer falta de clareza sobre o nível de compromisso dos parceiros do Afeganistão tende a encorajar nossos inimigos comuns e atrasa sua derrota", afirmou Mohib.