Uma mulher está no centro de um escândalo de abuso sexual [VIDEO]que envolver policiais da cidade de Richmond, Califórnia, nos Estados Unidos. A mulher entrou com um #processo na Justiça contra o Departamento de Polícia da cidade. Agora ela está processando os atuais e antigos chefes da polícia e seis outros oficiais, acusando-os de se obrigada a fazer sexo com eles em troca de proteção policial e informações. Embora a queixa federal identifique a autora como Jane Doe, seu advogado John Burris confirmou em uma entrevista que Doe é Jasmine Abuslin, de 19 anos.

No processo, ela detalha seu relacionamento com o Departamento de Polícia de Richmond, onde ela diz que era aberto que ela estava disponível para eles para favores sexuais [VIDEO] e prazer em troca de dinheiro, proteção ou outras formas de benefício.

Publicidade
Publicidade

Jasmine, que trabalhou como prostituta infantil, descreve seu papel como uma garota de programa exclusivamente para o departamento policial.

A jovem diz que o atual chefe de polícia, Allwyn Brown, o ex-chefe de polícia Chris Magnus e o chefe da Divisão de Assuntos Internos, Brian Dickerson, sabiam o que estava acontecendo, mas se recusaram a investigar ou disciplinar adequadamente seus oficiais. Brown, Magnus e Dickerson são réus no caso.

A mulher afirma que a polícia de Richmond investigou a má conduta apenas depois que as acusações se tornaram públicas. Onze oficiais foram identificados de envolvimento com a jovem. "Isso é terrivelmente ultrajante. Eles se aproveitaram de uma jovem vulnerável. Meninas assim estão sempre sofrendo prejuízo psicológico de algum tipo. Em vez de reconhecer isso e oferecer ajuda, eles se aproveitaram de suas vulnerabilidades.

Publicidade

Esse é o aspecto mais negativo e condenatório disso", disse o advogado da vítima.

As alegações de que uma série de oficiais fizeram sexo [VIDEO] com a adolescente só vieram à tona em setembro de 2015, depois que um oficial de Oakland se matou e deixou uma nota de suicídio envolvendo vários outros oficiais. Segundo informações, a jovem é filha de um despachante da polícia e recebeu em maio US$ 989 mil (R$ 3,15 milhões) de indenização em um acordo após mover um processo semelhante contra a polícia de Oakland.

De acordo com o advogado da vítima, Jasmine disse que também planeja processar o escritório do xerife do condado de Alameda, o Departamento de Polícia condado de Contra Costa, o Departamento de Polícia de Livermore e, possivelmente, o Departamento de Polícia de San Francisco.

A conselheira de Oakland, Rebecca Kaplan, disse: "É hora de pagar o acordo de liquidação para deixar esta jovem mulher continuar com sua vida e sua cura, mas também para Oakland intensificar e mudar a cultura no Departamento de Polícia e mudar a forma como recrutamos e treine nossos oficiais”. #escândalos