Publicidade
Publicidade

Considerada (pelos usuários) a droga mais segura do mundo, a #maconha, campeã de consumo em todo o planeta, aumenta o risco de morte em decorrência da hipertensão arterial (pressão alta) em até três vezes, segundo uma recente #pesquisa elaborada pela epidemiologista, doutora Barbara Yankey, da Universidade do Estado da Geórgia (EUA [VIDEO]), publicada no European Journal of Preventive Cardiology.

Além disso, ao contrário do que acreditam os adeptos do “cigarrinho do diabo”, o estudo indica que o uso da Cannabis é mais danoso à saúde do coração que o cigarro – confira um trecho.

De acordo com a reportagem do conceituado jornal britânico Daily Mail, desta quarta-feira (9), especialistas preocupados com a legalização da maconha em oito regiões dos Estados Unidos, reforçam a importância da descoberta nesse momento de flexibilização do consumo da droga – veja a manchete.

Publicidade

Para a autora da pesquisa, é hora de avaliar os benefícios e malefícios da erva. “É importante estabelecer se os benefícios para a saúde superam os potenciais riscos de saúde, sociais e econômicos", comenta Bárbara.

Três vezes mais chance de morrer de problemas relacionados à pressão arterial

Cientistas [VIDEO] analisaram 1.213 indivíduos acima dos 20 anos, na Pesquisa Nacional de Exame de Saúde e Nutrição. Os resultados alarmaram os estudiosos. Eles Identificaram que usuários de maconha têm 3,42 vezes mais chance de morrer em decorrência da disfunção da pressão arterial, do que os que não usam a erva.

De acordo com a autora, o consumo da Cannabis eleva os batimentos cardíacos e aumenta a demanda por oxigênio que, por sua vez, desestabiliza a pressão arterial.

Publicidade

“A maconha estimula o sistema nervoso simpático, levando a aumentos na frequência cardíaca, pressão sanguínea e demanda de oxigênio. Encontramos maiores riscos cardiovasculares estimados associados ao uso de maconha do que o tabagismo. Isso indica que o uso de maconha pode ter consequências ainda mais pesadas no sistema cardiovascular do que o já estabelecido para o tabagismo", conclui Barbara Yankey.

Porém, vale ressaltar que o emprego controlado da substância ajuda no combate a epilepsia, ansiedade e outras doenças físicas e psicológicas. O Daily Mail também não especifica se a pesquisa se refere somente a inalação da fumaça.

Ao que parece, “muita erva vai rolar” até os mistérios da maconha serem amplamente esclarecidos. Até lá, mantenha-se sóbrio, é a forma mais segura de ter uma vida longa e saudável. #EUA