A notícia publicada no jornal britânico ‘Daily Mail’ é bem clara, que diz que Kerry Shearer, uma mãe preocupada, em um ato de pânico e desespero, foi obrigada a raspar a cabeça de sua filhinha de apenas dois anos, chamada Isla. A mulher teria feito isso por suspeitar que a #menina sofre de uma doença chamada ‘tricotilomania’, [VIDEO]problema esse que faz com que a criança - ou adulto - arranque os seus próprios fios de cabelo, de forma compulsiva.

De acordo com o que foi confirmado, a mulher teria decidido raspar os cabelos da filha porque a mesma não parava de arrancar os seus próprios fios, ela fazia isso de forma bem agressiva e compulsivamente.

Publicidade
Publicidade

Porém, a menina ainda não foi diagnosticada de forma precisa por nenhum profissional clínico para que a doença seja confirmada.

Depois de muitas tentativas frustradas...

Para que a filha parasse com tal compulsão, a mãe já chegou a tentar várias técnicas, entre elas, passar vaselina nos fios para que escorregassem para evitar que a menina conseguisse arrancá-los, mas tal tentativa foi em vão. Foi aí então que Kerry decidiu cortar os cabelos de Isla, decisão esta que ela afirma ter sido muito difícil para ela.

A mãe ainda conta que a filha tinha um lindo cabelo loiro, cheio de cachinhos. Quando ainda nem tinha um cabelo muito comprido, ela arrancava os da mãe, foi aí então que a suspeita de que ela sofria de #tricotilomania foi reforçada. Tal doença é ligada a sentimentos como irritação, estresse e ansiedade. [VIDEO]

“Tentei de tudo... é uma doença ligada à ansiedade, mas ela é a criança mais feliz que eu conheço”, afirmou a mãe, inconsolada, sem saber o porquê que a sua filhinha, ainda tão jovem, sofre com o problema.

Publicidade

Como tudo começou

A suspeita surgiu desde que Isla era ainda um bebê. Enquanto chupava o polegar, ela enrolava os cabelos nos dedos, a família achava aquilo muito fofo e decidiu postar um vídeo dela fazendo isso no Facebook. Um amigo viu a cena e alertou os pais sobre o problema, deixando Kerry muito preocupada, pois de qualquer maneira, ela não queria ver a sua filha comendo o seu próprio cabelo.

Atualmente, Isla é acompanhada por médicos, porém, seu diagnóstico ainda não foi fechado, pois segundo o que os especialistas acham, seu estado atual deve sofrer mudanças conforme ela for crescendo. Porém, sua mãe acha que, mesmo que sua filha mude depois que estiver maior, tal problema que está ligado ao seu estado emocional, poderá voltar a se manifestar a qualquer momento. Por isso, ela deseja que o diagnóstico final dela seja devidamente registrado para que futuramente, ele esteja presente em seu histórico de saúde. [VIDEO]

O tratamento de choque

Ao andar com a menina na rua, Kerry é constantemente parada por estranhos que acham que ela cortou mal o cabelo de sua filha.

Publicidade

Eles acham que ela foi castigada por ter feito algo de errado ou que ela sofre de queda de cabelo e sempre criticam a decisão da mãe.

Mesmo sabendo que a sua filha se sente angustiada por não ter fios para arrancar, a mãe acha que está fazendo o melhor para ela. Às vezes, chega a dar alguns de seus cabelos para ela brincar quando acha que ela está se sentindo muito mal, mas não abre mão de raspar os dela para evitar tal compulsão e também para dar uma chance para que cresçam novamente.

De acordo com Kerry, a decisão de raspar a cabeça da menina veio depois de receber conselhos de outras mães que passam pelo mesmo problema e que ela conheceu pela internet. Agora, ela deseja compartilhar suas experiências para que outras pessoas conheçam essa doença, como ela pode ser detectada e como deve ser tratada. #Saúde