Publicidade
Publicidade
4

O mundo observou perplexo as manifestações na cidade de Charlottesville [VIDEO], no estado da Virginia, Estados Unidos. Opiniões opostas foram levantadas. Questões foram debatidas para se entender melhor o que se iniciou na noite de sexta-feira do dia 11 de agosto e no sábado (12) durante o dia inteiro.

Homens e mulheres deram inicio a manifestação carregando a ideologia da supremacia branca no estado onde nasceu Thomas Jefferson, um dos “pais da nação”. No grande grupo de manifestantes, além dos supremacistas, havia simpatizantes da Ku Klux Klan, Neonazistas e membros da Alt Right. [VIDEO]

Há muitos anos o país não via uma manifestação da extrema direita de tão alarmante magnitude.

Publicidade

Mas, sem dúvida, o ato na pequena cidade do Sudeste americano levantou uma assustadora realidade: o ódio e a intolerância.

Um dos pretextos para a realização da manifestação foi a retirada de uma estátua do general confederado Robert E. Lee, considerado um herói da guerra civil americana, que ocorreu nos anos de 1861 a 1865.

Nos Estados Unidos, principalmente no Sul, o conservadorismo é bastante presente, herança da Confederação dos Estados da América, aliança formada em 1861 por seis estados americanos: Alabama, Carolina do Sul, Flórida, Geórgia, Louisiana e Mississipi.

Mas quem foi Robert E. Lee, o general cuja estátua foi o suposto estopim para a manifestação? Veja a seguir.

Robert E. Lee

Robert Edward Lee nasceu em Stratford, na Virgínia, em 1807. Fez carreira como um excepcional oficial do Exército dos Estados Unidos por 32 anos.

Publicidade

Durante esse tempo, prestou serviço por todo o país, ganhando destaque na Guerra Mexicano–Americana e na superintendência da Academia Militar.

Quando a Virgínia declarou a separação da União, Lee decidiu ficar ao lado do seu estado natal, mesmo tendo como desejo pessoal que o estado permanecesse intacto. Essa foi uma decisão difícil, pois o grande presidente Abraham Lincoln havia lhe oferecido o comando do exército da União.

Após o início da Guerra Civil, Lee tornou-se conselheiro do presidente Jefferson Davis e logo se mostrou um grande estrategista e excelente comandante no campo de batalha, mas as suas duas principais ofensivas no Norte terminaram em derrotas.

Quando já era comandante de todo o exército do Sul, viu o general da União Ulysses Grant empreender nos anos de 1864 a 1865 uma forte campanha contra os confederados em seu estado, a Virgínia. Robert Lee não conseguiu mudar os rumos da campanha e acabou derrotado, rendendo-se ao general Grant em 19 de Abril de 1865. Sem o seu general, os outros exércitos confederados logo também se renderam. Era o inicio do fim da guerra Civil.

Depois de terminado o conflito, Lee se tornou presidente da Universidade de Washington e apoiou o presidente Andrew Johnson em seu programa de Reconstrução da nação. Robert Lee morreu em Lexington, no estado onde nasceu, em 1870. #Charlottesville #AltRight