Publicidade
Publicidade

Atualmente, muitos projetos têm saído do papel através de campanhas de crowdfunding, que são financiamentos coletivos, onde pessoas arrecadam dinheiro para conseguir o montante necessário para bancar as despesas.

Um projeto polêmico de crowdfunding, entretanto, tem chamado a atenção nos Estados Unidos. O grupo GoFundMe iniciou uma campanha para arrecadar US$ 1 bilhão para comprar o #twitter e banir o presidente norte-americano Donald Trumpo da plataforma.

O ator Mark Hamill, o Luke Skywalker da saga Guerra nas Estrelas [VIDEO] (Star Wars), que já trocou farpas com o presidente Trump via Twitter, aderiu à campanha, mas deixou claro aos seus fãs que esta é uma arrecadação satírica.

Publicidade

A campanha foi iniciada por Valerie Plame Wilson, de Santa Fé, uma ex-funcionária da CIA que trabalhava nas questões da proliferação nuclear. "Se atingirmos esse objetivo, usaremos isso para se tornar o único acionista maior do Twitter e alavancar esse cargo para impor suas regras contra ameaças violentas, intimidação e discurso de ódio, e banir o Trump para sempre", disse Wilson na página da campanha.

Valerie complementou ainda: "Se não atingirmos esse alvo, mas levantarmos muito dinheiro ao longo do caminho, usaremos essa demonstração de apoio público para pressionar o Twitter a agir - e 100% dos recursos serão doados para o Global Zero, uma organização sem fins lucrativos que lidera a resistência à guerra nuclear. Não importa o que aconteça, não irei usar um centavo desses fundos ou usar os benefícios financeiros que não sejam para esses fins" .

Publicidade

Hamill estará em cartaz nos cinemas em dezembro, no filme Star Wars: Os Últimos Jedi (The Last Jedi, 2017), que é o oitavo episódio da franquia.

#Hollywood e Trump não se dão bem desde a eleição do presidente, que foi alvo de muitos protestos durante a entrega do prêmio Oscar em 2017, ocorrida em 27 de fevereiro deste ano. O presidente Trump é usuário assíduo da plataforma virtual e já chegou a se manifestar contra diversos artistas.

Em janeiro deste ano, a atriz Meryl Streep criticou fortemente o presidente recém-eleito em seu discurso, ao ser premiada no Globo de Ouro. Trump rebateu as acusações de Streep no Twitter. "Meryl Streep, uma das atrizes mais superestimadas de Hollywood, não me conhece, mas me atacou ontem no Globo de Ouro. Ela é uma serva de Hillary, que perdeu muito", escreveu.

Criada há 12 dias, a campanha já arrecadou mais de US$ 83 mil. #Donald Trump