Publicidade
Publicidade

Algumas situações impressionam pelo modo como acontecem. Os países do Oriente Médio têm uma cultura completamente diferente da nossa. Por lá, algumas crianças podem se casar com o aval da Justiça. Isso ocorre desde que exista uma posição favorável da família. No entanto, é claro, algumas meninas estão longe de estarem preparadas para uma noite de sexo. Por isso, podem ter sérias consequências.

Menina de oito anos morre após noite em que deveria perder a virgindade

Uma garotinha de apenas oito anos, por exemplo, acabou sendo obrigada a se casar com um marido, de 40. Em troca de dinheiro, ela, que ainda nem havia tido sua primeira menstruação, foi obrigada a se relacionar com o homem.

Publicidade

O caso deu o que falar no mundo ocidental, já que a menina sofreu graves ferimentos em seu corpo. O que para nós é visto como crime aconteceu no Iêmen e abriu uma importante discussão sobre os direitos da criança.

Menina que morreu em noite de núpcias no Iêmen foi vendida por R$ 6 mil

O homem em questão, que casou-se com a menina, tem 40 anos de idade. Ele teria comprado a menininha para ser sua esposa por cerca de seis mil reais. A garotinha, infelizmente, não resistiu e morreu com uma hemorragia interna, provocada pelo o que aqui no Brasil seria considerado estupro. A menina foi identificada como Rawan e teria sido vendida pela quantia pequena descrita anteriormente. No Iêmen, a poligamia é permitida. Ou seja, por lá, a cultura aceita que um homem tenha várias mulheres. Isso esconde mais abusos do que se pode imaginar, já que as meninas que se casam podem ter qualquer idade.

Publicidade

Não existe um limite estabelecido pela lei local.

Na região, quanto mais mulheres um homem tem, mais riqueza ele demonstra. A mulher é tratada como uma espécie de objeto. O jornal alemão 'Der Tagesspiegel' deu detalhes sobre o caso que chocou o mundo e informou que, após a #Noite de núpcias, a menina de 8 anos foi internada com ferimentos internos. Médicos que atenderam a garota disseram que ela tinha uma espécie de sangramento no útero. Como o corpo da menina é menor do que o de uma mulher adulta, a penetração sexual fez com que essa parte fosse atingida.

Uma cultura bem diferente, que tenta ser combatida

Desde 2010, a Organização das Nações Unidas (ONU) faz uma tentativa de conscientizar as famílias que não aceitem casamentos dessa forma. No país, mais de 80% das meninas se casa com menos de 18 anos. As que não conseguem acabam sendo mal vistas pela sociedade. #Criança morre