Publicidade
Publicidade

Uma mulher cristã viu a intolerância religiosa de seu marido acabar destruindo sua família ser destruída, e como se não bastasse, agora ela está temerosa de perder sua única filha, já que pela cultura de seu país há um certo privilégio para os homens no que diz respeito à guarda dos filhos menores em situações de divórcio.

A história em questão é de Sameda, que é seguidora do #Cristianismo e está passando por muitas adversidades depois que assumiu sua fé em Jesus, e agora pede as orações de todos os que puderem interceder. Quem conta os fatos é o Missão Portas Abertas, que omitiu o lugar onde a mesma se encontra por questões de segurança da própria.

Publicidade

Tudo começou quando Sameda conheceu um homem que posteriormente tornou-se seu marido. Ele chama-se Rashid e professa a fé islã. Ela lembra que o fato dele parecer um "bom homem" foi crucial para que ela escolhesse se casar com ele.

Segundo o relato feito para o missionário enviado pelo Portas Abertas, a mulher contou que durante um certo tempo eles conseguiram viver em paz, porém esse sentimento de calmaria não durou o bastante. Eles ficaram, segundo ela, demasiadamente felizes até que o marido passou a saber a religião seguida pela esposa, fazendo com que Rachid acabasse alterando seus modos de agir, o que acabou criando uma certa tensão com os pais dele, que passaram a pressionar Sameda para largar sua fé em Cristo e se converter ao #Islamismo.

A resposta ouvida pelo marido não foi a esperada por ele, já que a mulher decidiu permanecer fiel ao seu sentimento por Jesus, já que, segundo ela, não conseguia se imaginar vivendo uma vida longe dele.

Publicidade

Essa reação, claro, teve consequências, e Rachid acabou a expulsando de casa diante de outras tentativas de convertê-la ao islã.

Novo começo e guarda da filha

A solução encontrada por ela foi pedir ajuda à mãe, e levou sua filhinha de apenas 1 mês e meio para a casa da avó. Lá conseguiu um quarto para criar sua filha, em meio ao processo traumático de ter sido negada por seu próprio marido e pai de sua bebê, depois de tantos anos de cuidado e amor: "Foi tão estressante", lembra. A jovem conta que a pressão, no entanto, ainda não acabou, já que seus vizinhos novos também a pressionam a seguir a "verdadeira religião", que seria o Islã, e não abandonar o "verdadeiro profeta", que seria Maomé. Ela no entanto mantém sua posição: "Sou cristã".

Os próximos desafios que virão nos próximos dois meses são bastante decisivos, já que trata-se da guarda da filha, que Rashid já tenta tomar para si. Pelo fato dela não possuir advogado por ser bastante pobre, e ele possuir uma certa proteção legal por ser homem e muçulmano, num país com costumes e religião extremamente machista, ela teme o pior mas diz que confia em Deus para vencer essa luta.

Publicidade

O missão Portas Abertas a presenteou secretamente com um carrinho de bebê e alimentos, que a fizeram se emocionar, visto que não tinha dinheiro para comprá-los. Ela agradeceu e disse que espera que essa história chegue a muitas e muitas pessoas, para que elas se inspirem em sua história de fé, e a ajudem com orações. #Intolerancia Religiosa