Publicidade
Publicidade

Uma mulher, que é mãe de sete filhos, morreu depois de ser deixada completamente sem roupas e sangrando em um carro após uma sessão de sexo violento [VIDEO] com dois homens em uma praia. A vítima foi identificada como Lynette Daley, de 33 anos. Segundo a polícia, a mulher foi levada por um dos acusados, identificado como Adrian Attwater, de 42 anos, para uma praia para lavar seu corpo cheio de sangue antes de chamar o socorro. O outro acusado foi identificado como Paul Maris, de 47 anos. Ambos se declararam inocentes das acusações.

De acordo com o site do jornal britânico The Sun [VIDEO], esta semana começou o julgamento dos envolvidos na morte da vítima.

Publicidade

As acusações foram feitas pelo promotor Philip Strickland no Tribunal Supremo de Nova Gales do Sul, em Coffs Harbour, na #Austrália. Attwater se declarou inocente da acusação de homicídio culposo e agressão sexual agravada.

Segundo o promotor, a vítima morreu por sofrer várias lesões causadas durante as relações sexuais com os dois homens na praia de Ten Mile Beach. Ainda de acordo com o promotor, Attwater negou estar ciente das feridas significativas da vítima quando estavam tendo relações sexuais com a mulher.

Ele apenas relatou que notou um pouco de sangue em sua mão. Então, eles foram para o mar para se lavarem. O promotor rebateu a versão dada pelo acuado, dizendo que "quando Lynette entrou no oceano, ela não entrou ali sem ajuda. Ela não está brincando ali, ela foi arrastada ou carregada.

Publicidade

Nessa fase, ela está morta ou morrendo", disse Strickland.

Attwater argumenta que a vítima teve uma convulsão, ficou mancando e parou de respirar depois de cerca de t minutos no mar. Para o promotor, o acusado está mentindo. O segundo acusado, Paul Maris, negou no julgamento ter tido relações sexuais [VIDEO] com a vítima e também negou ter ocultado provas.

Porém, segundo o promotor, Paul disse à polícia: "Bem, ela não se opôs quando eu pulei nas costas". As fotos mostradas no tribunal mostraram lesões na mulher que causaram perda significativa de sangue. A relação sexual "contribuiu substancialmente ou significativamente para a morte", disse Strickland.

A autópsia também revelou uma pequena quantidade de metanfetamina e uma concentração de álcool no sangue, o que significa que ela estava embriagada. Attwater afirmou que Lynette teve um ataque quando foi nadar nua e ele realizou respiração boca-a-boca depois de arrastá-la de volta para a praia.

Quando questionado sobre como o trio veio a ter sexo grupal, Attwater disse: "Estas coisas acontecem, meninas serão meninas, meninos serão meninos". Ambos os homens disseram à polícia que achavam que o sexo era consensual. O julgamento está previsto para durar seis semanas. #investigação #Polícia Federal