Uma jovem #noiva perdeu o sonho de se casar, morrendo antes, em circunstâncias que estão sendo investigadas, no tribunal. Noivo e família garantem que houve negligência no hospital. E até mesmo os médicos parecem estar dando razão para a família, quando se acredita que não foram feitos todos os possíveis para salvar a vida dessa jovem. Ela foi duas vezes na urgência, com dores agonizantes, mas os médicos desvalorizaram os sintomas e não efetuaram todos os exames, que foram pedidos.

Horas depois de ter se atirado no chão do hospital, com dores no estômago, Tessa Harker morreu. De nada valeram todos os esforços e até uma cirurgia de emergência, uma vez que Tessa não saiu mais com vida desse hospital, após essa crise.

Publicidade
Publicidade

De um "inseto no estômago" a uma "úlcera fatal", passou o diagnóstico dos médicos, no mesmo hospital.

Seu noivo, Rob Powley, está desolado, depois de perder sua namorada, com quem ele vivia e se iria casar brevemente, após anos planejando um futuro juntos. Tessa morreu com uma úlcera de estômago, que se explodiu em março do ano passado. Agora, no tribunal, um inquérito está investigando tudo que antecedeu na morte da jovem inglesa.

Assim, ficou revelado que Tessa foi mandada para casa, depois de lhe ter sido dito que sua dor era apenas um inseto no estômago. Mais tarde, ela regressou no hospital, ainda com mais dores. Apesar de sua insistência e de sua família, os médicos se negaram a fazer uma tomografia computadorizada, dizendo que não era necessário. Sabe-se agora que esse exame mais geral, poderia ter mostrado, a tempo, a lesão no estômago de Tessa, e sua vida poderia ter sido salva.

Publicidade

Porém, quando a ferida de 7 centímetros foi detectada, sua úlcera já tinha explodido. Tessa ainda passou por cirurgia, mas morreu na manhã seguinte, seis dias após sua primeira visita na urgência, em que seus sintomas não foram valorizados, e ela poderia mesmo ter sido vítima de negligência médica.

Julian Thompson, um consultor de anestesia, disse no tribunal que um exame mais cedo poderia ter mostrado a úlcera. No entanto, o médico Nicholas Shaw, registrou um veredicto de "morte por causas naturais", adicionando, no entanto, que essas causas foram "exacerbadas por atrasos no tratamento". "Sinto que mais deveria ter sido feito para estabelecer um diagnóstico", disse o médico.

Stephen Eames, do hospital onde Tessa morreu, disse: "Desejo minhas sinceras desculpas e profunda simpatia à família de Tessa Harker. Fica reconhecido que os cuidados prestados a Tessa ficaram aquém do que esperávamos. As lições foram aprendidas e uma série de ações foram implementadas que acreditamos que irá melhorar ainda mais a segurança do paciente". #Saúde #Casamento