Para quem é amante de assuntos espaciais, descobertas de novas fronteiras e pesquisas da #Astronomia, na última quinta-feira (17), o cosmonauta russo descendentes do povo grego pôntico, cujo nome é Fyodor Nikolayevich Yurchikhin Grammatikopoulos, promoveu uma caminhada no espaço sideral, a qual durou seis horas, onde o greco-russo se afastou consideravelmente as segurança da estação espacial ISS, que é a casa do Grammatikopoulos desde abril último.

A TV da NASA pode transmitir ao vivo a viagem do cosmonauta, que foi acompanhado por um outro russo mais jovem de nome Sergey Ryazansky.

Yurchikhin ao longo de sua carreira de aeronauta e astronauta teve o privilégio de ser homenageado como um verdadeiro herói, recebendo a medalha da Federação Russa; a medalha da Ordem da Amizade no ano de 2003; a ordem da Fênix pelo governo da #Grécia; a medalha de vôo espacial oferecida pela NASA também em 2003; outras medalhas da Federação de Cosmonáutica Russa e da Federação Russa Para Testes de Cosmonautas.

Publicidade
Publicidade

Não foi à toa que Grammatikopoulos foi um dos cinco cosmonautas selecionados para carregar a bandeira russa na cerimônia de inauguração dos Jogos Olímpicos de Inverno 2014 na cidade russa de Sochi.

A título de conhecimento e preservação da cultura helenística, os gregos pônticos compuseram ao longo dos séculos um grupo étnico grego específico, o qual tradicionalmente tem remanescentes até os dias atuais habitando a região Nordeste da Anatólia, situada na #Turquia.

Como os gregos pônticos eram encontrados principalmente na área chamada Ponto, localizada às margens do mar Negro, acabaram recebendo a classificação de gregos sim, mas gregos pônticos.

Tais gregos pônticos construíram as suas vidas nos Montes Pôntico, [VIDEO] que ficam na mesma localidade; na província de Kars, sendo essa parte do mundo, no século XIX, ocupada em caráter temporário pela Rússia; moraram também onde é hoje o atual Cáucaso e a Geórgia.

Publicidade

Todos os cidadãos que moravam no Sul da Rússia, na Crimeia, na grande maioria das vezes são chamados como "gregos pônticos do norte", contrastando com os "pônticos do sul".

Já os que habitavam na Geórgia, no nordeste da Anatólia e na antiga região russa do Cáucaso eram classificados pelos acadêmicos gregos contemporâneos na época, como “gregos pônticos do leste" ou "gregos do Cáucaso".

Os gregos pônticos falam o dialeto grego pôntico, que é uma forma bastante distinta da língua grega em uso na Grécia da atualidade. Esse fenômeno aconteceu basicamente por causa do afastamento geográfico, possibilitando uma evolução linguística diferente da do resto do mundo helenístico.