Publicidade
Publicidade

O nome dela é Eva Echeverria, de 63 anos. Ela é americana e vai receber [VIDEO]uma indenização de 417 milhões de dólares por uma decisão judicial tomada na Califórnia, Estados Unidos. O que muitos não sabem é que, para receber esse valor, Eva precisou lutar contra um #Câncer de ovário por mais de dez anos. A multa será paga pela empresa Johnson & Johnson.

Eva está em estado terminal e gravou um vídeo em que faz várias revelações. Ela disse que usou o talco da empresa Johnson & Johnson por mais de cinquenta anos, tudo para cuidar de sua higiene. A causa dos problemas [VIDEO]é a sua composição química. O uso do talco provocou seu câncer, mas ela só soube disso em 2016, quando conheceu outra mulher que também estava com câncer de ovário causado pelo produto.

Publicidade

Mas essa não é a primeira ação desse tipo movida contra a Johnson & Johnson, existem diversos processos pelo mesmo motivo. Nesse mesmo ano de 2017, em maio, a gigante companhia teve que pagar 110,5 milhões de dólares a uma senhora com mais de 60 anos, que também desenvolveu câncer pelo uso do talco da Johnson. No ano passado, o talco para higiene íntima causou o prejuízo de 300 milhões de dólares em indenizações.

Segundo os responsáveis pela defesa de Eva nos tribunais, somente a indenização não basta, mas também seria sensato da marca Johnson colocar um aviso em todas as embalagens, como o que é feito nos cigarros, informando a todo possível comprador que aquele produto pode causar danos graves à saúde.

Conforme disse Mark Robinson, o advogado responsável pela defesa de Eva, ela está morrendo por causa desse produto, e a maior indenização já paga por danos compensatórios não fará muita diferença para alguém em estado terminal.

Publicidade

O desejo maior de sua cliente é evitar que outras mulheres passem pelo que ela está passando, principalmente aquelas que fazem o uso do talco da Johnson & Johnson por períodos mais prolongados de tempo, como 30 ou 20 anos.

A Johnson se pronunciou sobre a sentença judicial e, como era de se esperar, ressaltou que o talco não era causador de câncer. Ainda declarou que iria recorrer da sentença. Disse que ,segundo a ciência, o talco seria totalmente seguro. Apesar disso, a companhia está sendo processada por mais de 5 mil mulheres por conta desse problema. A própria American Cancer Society, organização voluntária que se dedica a combater o câncer, relata que vários estudos sugerem justamente que o uso prolongado de talco na região genital aumenta o risco do desenvolvimento do câncer de ovário. #SaudeFeminina