Publicidade
Publicidade

A segregação racial, extinta desde 1967, quando o Congresso dos Estados Unidos [VIDEO] garantiu o direito ao voto por parte da parcela negra do país, permanece latente em grande parte da população norte-americana.

O mais recente exemplo dessa deplorável demonstração de intolerância racial, acontece desde a noite de sexta-feira (11), na Universidade da Virginia, em Charlottesville (EUA [VIDEO]).

O comunicado sobre a remoção da estátua de um general confederado escravagista do século 19, Robert E. Lee (1807-1870), das instalações da universidade, irritou adeptos do nazismo e fascismo.

Eles se reuniram em volta da estátua, e, com tochas nas mãos, proferiram gritos coléricos do slogan nazista: “sangue e solo”.Também berravam para quem quisesse ouvir, que “a vida branca importa”.

Publicidade

O caso ganhou destaque nos principais jornais do país e gerou repulsa nas autoridades e na maioria dos populares de Charlottesville. Irritados, alunos e moradores foram ao campus confrontar os adeptos do III Reich.

Em pouco tempo, um conflito ideológico entre os neonazistas (lá, eles são chamados de nacionalistas) e indivíduos a favor da liberdade e da igualdade entre as pessoas, se formou em torno da estátua, cuja remoção está programada para este sábado (12).

Abaixo, veja o vídeo onde manifestantes contrários ao nazismo foram atropelados por um extremista branco. A gravação pertence ao jornalista Alex Rubinstein.

Publicidade

O prefeito da cidade, Mike Signer, repudiou a #Manifestação nacionalista, ao declarar no Facebook que o ato é um “desfile covarde de ódio, fanatismo, racismo e intolerância”.

Ainda acrescentou: “Estou incomodado com essa exibição desautorizada e desprezível de intimidação visual em um campus universitário", disse – confira na íntegra.

O confronto entre os dois grupos, filmado por Alex Rubinstein, divulgado em seu Twitter, gerou comentários acalorados. Nem o presidente Donald Trump saiu ileso.

“Como eu disse antes da eleição, Trump foi escolhido para os nacionalistas brancos ao redor do mundo. Ele era a chave para as suas causas”, observa Shannon Love‏.

O usuário COVFEFE BUSTERS, cujo apelido é uma ironia à inusitada palavra “Covfefe”, inventada por Trump meses atrás, resumiu o cenário em poucas palavras.

Publicidade

“Parece cenas direto do inferno”. Confira mais comentários.

A briga entre cidadãos norte-americanos, favoráveis e contra o racismo, se estende até este sábado. Conforme notícia recém divulgada pela Globo News, um manifestante foi morto. Tudo indica que a violência deve continuar.

Nacionalistas armados discutem com manifestantes

#Preconceito #EUA