A guerra civil na #síria já dura mais de 5 anos e as dificuldades para sobreviver levou milhões de sírios a abandonar suas casas e procurar refúgio em outros países. A #Turquia, por fazer fronteira com a Síria é um dos países que mais recebe #Refugiados. Muitos nem pretendem se estabelecer entre os turcos mas sim viajar para a Europa. Independente de quais sejam os objetivos, os turcos dificilmente são receptivos. Como já abriga mais de um milhão de refugiados sírios, a boa vontade do governo e até mesmo do povo turco diminui a cada dia.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, iniciou até mesmo a construção de um muro entre os dois países para evitar a entrada ilegal de refugiados.

Publicidade
Publicidade

Como a comunidade internacional pouco criticou o caso, as obras caminham rapidamente, ao contrário do que acontece no caso do muro entre México e EUA, por exemplo. O Irã e a Rússia foram os únicos países a protestar com veemência.O presidente sírio, enfraquecido, nada pôde fazer a respeito.

Apesar de o tratamento dado aos refugiados nunca ter sido digno de elogios, na última sexta feira, 28 de julho, a crueldade de membros do exército turco chocou o mundo. Os soldados debocham e agridem 4 sírios que tinham acabado de cruzar as fronteiras. Um homem turco acompanha o grupo de refugiados e é o único que não sofre agressões.

Apesar de não ser agredido, o turco é acusado pelos militares de estar praticando tráfico (de pessoas). O homem não responde à acusação. Os soldados também fazem perguntas aos sírios durante a sessão de socos e pontapés.

Publicidade

"Por que está chorando? Você virá novamente para Turquia?", pergunta um deles antes de reiniciar as agressões.

O vídeo teria sido filmado por um dos próprios soldados, que enviou o registro para amigos. Não se sabe como as imagens se tornaram públicas, mas especula-se que um alemão ligado ao soldado que registrou as agressões tenha sido o primeiro a compartilhá-las nas redes sociais.

Com a grande repercussão do caso, o governo turco foi forçado a agir. Segundo comunicado oficial, a polícia deteve 3 soldados envolvidos nas agressões, dois que aparecem agredindo os refugiados e o que registrou as imagens. Os refugiados, por outro lado, foram tratados e, após confirmar seu bom estado de saúde, deportados de volta para a Síria. O Exército turco teria também aberto uma investigação para apurar os fatos.