Segundo reportagens publicadas pelos sites Washington Post e The Salt Lake City Tribune, uma enfermeira da unidade de queimados do hospital da Universidade de Utah, nos Estados Unidos [VIDEO], foi presa ao negar que um policial retirasse amostras de sangue de um paciente que se encontrava inconsciente e seriamente ferido.

O incidente envolvendo a profissional da saúde Alex Wubbels e o detetive Jeff Payne ocorreu no dia 26 de julho, mas as imagens do incidente só foram divulgadas recentemente. Na época do episódio, uma caminhonete conduzida por um suspeito que fugia da polícia [VIDEO] bateu frontalmente contra um caminhão em uma estrada de Salt Lake City, e a colisão deixou o motorista do veículo maior gravemente queimado.

Publicidade
Publicidade

O suspeito acabou morrendo no acidente, e o caminhoneiro – que não era um alvo de investigação – chegou ao hospital em coma, e um departamento de #Polícia das redondezas enviou Jeff Payne para coletar amostras de sangue do homem com o intuito de checar se ele havia usado substâncias ilícitas.

Quando uma situação assim ocorre, existem alguns procedimentos legais que devem ser seguidos em solo americano. Primeiramente, um policial só pode coletar sangue de alguém com um mandado judicial, e deve haver o consentimento da outra parte envolvida – o que obviamente não era possível, já que o paciente estava inconsciente. Além disso, a ação também pode ser levada a cabo se o indivíduo estiver preso, e este também não era o caso.

A prisão da enfermeira

Nos vídeos divulgados sobre o incidente, é possível ver Jeff Payne argumentando com a enfermeira chefe Alex Wubbels, que inclusive chegou a imprimir em uma folha a política do hospital sobre a coleta de sangue e mostrá-la para o detetive.

Publicidade

Como o impasse continuava, Wubbels ligou do celular para o seu supervisor, que começou a conversar no modo viva voz com o policial. No entanto, Payne entrou em contato com o seu tenente, e este o ordenou que prendesse a enfermeira caso ela se recusasse a permitir que o sangue do caminhoneiro fosse coletado.

A discussão continuou por um tempo, até que o supervisor de Wubbels disse ao detetive que ele estava "cometendo um grande erro" ao ameaçar uma enfermeira. Neste instante, Payne tentou tirar o celular das mãos da mulher, e dizendo "nós terminamos aqui", agarrou os braços da profissional de saúde, arrastando-a para fora do hospital.

Uma vez fora do prédio, o detetive algemou Wubbels sob a alegação de que ela estava obstruindo a justiça ao negar a coleta de sangue. Acompanhe algumas imagens:

Apesar de tudo o que ocorreu, a enfermeira não foi acusada criminalmente, e em uma coletiva de imprensa na última quinta-feira (31), as imagens do incidente foram exibidas.

Publicidade

O caso ganhou tal repercussão que tanto a prefeita de Salt Lake City, Jackie Biskupski, quanto o chefe de polícia local, Mike Brown, pediram desculpas publicamente a Wubbels em um comunicado. Além disso, o procurador distrital Sim Gill disse na sexta-feira (1) que é preciso haver uma investigação criminal sobre o incidente, e em sua página do Twitter, o departamento de polícia de Salt Lake afirmou que Payne e outro oficial cujo nome não foi divulgado estão atualmente sob licença administrativa. #EUA