A ex-atriz de filmes adultos Mia Khalifa, de origem libanesa e americana, disse que o grupo terrorista Estado Islâmico a ameaçou e divulgou vídeos simulando sua execução online. Ela, que atualmente atua como comentarista esportiva, disse recentemente em uma entrevista que não pode demonstrar fraqueza, exatamente o que o grupo quer, que é causar pânico.

A atriz mudou-se de Beirute, no Líbano, para os Estados Unidos com 10 anos de idade e atualmente vive em Miami, na Flórida. Foi graduada em história aos 21 anos e ao entrar para a indústria erótica sofreu muitas críticas, principalmente dos muçulmanos, que veem este tipo de filme como “desgraça”.

Publicidade
Publicidade

A venda de materiais eróticos é proibida na maioria dos países, exceto Líbano e Turquia.

Muitos muçulmanos se ofenderam com suas cenas eróticas, em que a atriz mantinha relações sexuais usando um hijab, parte do vestido tradicional feminino muçulmano. Um usuário do Twitter a ameaçou na época, dizendo que seria decapitada em breve, enquanto outro mandou mensagens ofensivas em que ela seria "a primeira pessoa no fogo do Inferno".

#mia khalifa, que vem de uma família cristã, disse ao The Washington Post, em 2015, ter ficado surpresa pela repercussão negativa da cena, pois deveria ser apenas uma encenação de forma sátira. Segundo a atriz, "há filmes de Hollywood que descrevem os muçulmanos de maneira muito pior do que qualquer cena em que apareci".

A atriz também foi atacada por suas tatuagens fazendo referência ao Líbano, incluindo a abertura do hino nacional libanês e outra da Cruz das Forças Libanesas, que fez para mostrar solidariedade ao seu país de origem após os bombardeios de 2012.

Publicidade

Os críticos muçulmanos acusaram Mia de ser a vergonha do Líbano ao aparecer em filmes para adultos e expor essas tatuagens em seu corpo. Segundo a ex-atriz, este é um dos grandes problemas da liberdade e dos direitos das mulheres.

Para uma nação que tanto se vangloriou dizendo ser a nação mais ocidentalizada do Oriente Médio, ainda vive sob um pensamento arcaico, disse ela. Em uma postagem, ela disse que o direito das mulheres no país está longe de ser respeitado, exemplo disso é uma atriz que não reside no país causou tanto alvoroço.

Além disso, também comentou que seus pais, na época, deixaram de falar com ela por causa de sua escolha de carreira. Atualmente, Mia Khalifa faz comentários e aberturas de eventos esportivos e de cultura em seu canal pessoal. #Terrorismo #Estado Islâmico