Segundo noticiou a agência de notícias estadunidense Democracy Now, nesta segunda-feira (11), pelo menos quatro pessoas morreram e cerca de seis milhões estão sem energia elétrica no estado da Flórida, em função da chegada do furacão Irma [VIDEO]. Este arrasador fenômeno da natureza chegou à Flórida no domingo (10) e transformou as ruas do centro de Miami em rios de 1 metro de altura.

Desde o aproximar do Irma, as autoridades empreenderam uma forte campanha para que a população deixasse a região, sendo considerada a maior mobilização da história dos Estados Unidos, que conseguiu a evacuação de sete milhões de pessoas.

No total, incluindo o mar do Caribe, 27 pessoas morreram e destruiu 90% de San Martin e Barbuda, deslocou mais de 100 mil haitianos, bem como destruiu as plantações do Norte do país.

Publicidade
Publicidade

A ilha de Cuba enviou mais de 750 profissionais de saúde aos países caribenhos para ajudar minorar as sequelas provocadas por Irma, a mais potente que se tem notícia no Oceano Atlântico.

Embora o furação tenha caído para a categoria 1, a população da Flórida foi para a Geórgia, Alabama e Mississipi. Na Flórida Keys, o furacão estava na categoria 4.

Senso de oportunidade

O presidente estadunidense, Donald Trump, segundo a Democracy Now, está aproveitando o fenômeno Irma para fazer campanha pelo corte de tributos para os mais ricos. Disse o mandatário: "Para gerar propriedade em nosso país, vamos analisar a possibilidade de reduzir drasticamente os impostos e levar a cabo uma reforma tributária. E creio que agora, com o furação, vou solicitar que se acelere o processo".

Mudança climática e consumismo

A Democracy Now reportou, também, que o relatório na revista Science Advances dá conta de que cerca de um terço de todas as espécies de parasitas podem desaparecer até 2070, em função das atividades do ser humano.

Publicidade

O documento sublinha, ainda, que a perda de espécies de piolhos, pulgas e vermes pode ter profundos efeitos de ondulação no meio ambiente e pode abrir caminho para novos parasitas para colonizar humanos e outros animais com resultados desastrosos para a saúde.

Isso ocorre [VIDEO]quando os cientistas estão alertando que a sexta extinção em massa da Terra já está em andamento. Em um estudo publicado no mês passado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, os pesquisadores disseram que bilhões de populações de animais desapareceram da Terra em meio ao que eles chamaram de "aniquilação biológica".

Os pesquisadores disseram que as descobertas foram piores do que se pensava. Dizem que as principais causas da extinção em massa da vida selvagem são a superpopulação humana e o excesso de consumo, especialmente pelos ricos, a destruição dos habitats dos animais, a poluição tóxica e as mudanças climáticas.

O relatório também lança o alerta de que os seres humanos serão afetados por essa extinção em massa.

Publicidade

"A aniquilação biológica resultante, obviamente, terá sérias consequências ecológicas, econômicas e sociais. A humanidade acabará por pagar um preço muito alto pela dizimação da única assembleia de vida que conhecemos no universo".

Continuemos a ouvir outras vozes a respeito dos furações, em especial o Irma, no âmbito das análises sobre as mudanças drásticas no clima do planeta. #Catástrofe Natural #Furacão Irma