Nesta sexta-feira dia (8), a história comovente da garota indiana de apenas 13 anos vítima de estupro teve, enfim, um desfecho. Ela deu à luz a um menino, segundo informou o médico que realizou o acompanhamento da gravidez.

O caso aconteceu na Índia e foi bastante polêmico, pois o Supremo Tribunal do país, em decisão proferida na quarta-feira (6), autorizou a interrupção da gravidez, mesmo após a menina ter completado 32 semanas de gestação. A garota, que não teve a identidade revelada por questões legais, teve a decisão proferida porque, para os magistrados, o parto seria muito traumático para ela.

O que mais impressiona neste caso é que pela leis Indianas o aborto não é autorizado quando a mãe já tenha completado 20 semanas de gestação.

Publicidade
Publicidade

A única exceção a essa regra são nos casos em que a gravidez causa risco de vida para a mãe.

Nos últimos tempos, o Tribunal tem estendido essa exceção para casos de adolescentes vítimas de estupro. Quando a menina resolveu contar sobre o abuso e foi examinada pela primeira vez pelos médicos, já estava com 27 semanas de gestação, ou seja, 7 semanas a mais do que as 20 permitidas pela lei.

A garota de 13 anos foi abusada por um colega de seu pai, que foi preso depois de ter ser denunciado ao Tribunal. Mesmo com a interrupção da gravidez autorizada e comunicada aos médicos, esses, depois de reunião com uma junta médica, resolveram salvar a criança. Segundo eles, salvar o bebê não interferiria na decisão do Tribunal, pois, para eles, encerrar a gravidez como determinou a Justiça não significa acabar com uma vida.

Publicidade

Dessa forma, o bebê acabou nascendo e está sob cuidados intensivos ainda no hospital. Após esse período será encaminhado para adoção. Este não foi o único caso de meninas grávidas vítimas de estupro na Índia em que foi autorizado o aborto pelo tribunal.

O estupro se tornou um crime muito comum na Índia desde 2012 e o assunto tem sido muito discutido. O caso que mais impressionou em Nova Délhi, capital da Índia, foi o caso de um #Estupro coletivo que deixou o país indignado.

Em 2015, as estatísticas mostraram que já são ao menos seis casos de estupro registrados por dia. Segundo um estudo divulgado pela ONU (Organização das Nações Unidas), em 2014, ao menos 50% dos casos de estupro envolveram crianças e adolescentes menores de 14 anos. Na maior parte dos casos, o criminoso é amigo ou conhecido da família.

Aproximadamente 20 mil casos de estupro são registrados na Índia por ano. Entretanto, esse número pode ser ainda maior, pois, muitas mulheres ainda possuem receio de procurar ajuda quando sofrem o abuso. #Grávida #India