Publicidade
Publicidade

A Rússia e Bielorrússia lançaram um exercício militar de larga escala nesta quinta-feira (14), o que deixou os países vizinhos extremamente nervosos. O exercício foi batizado de Zapad-2017 e é o maior simulação de guerra russa desde a anexação da Crimeia em 2014.

O Ministério de Defesa da Rússia divulgou que cerca de 13 mil soldados estão participando do treinamento. Porém, segundo a Otan (Organização do Atlântico Norte), esse numero é muito maior. Alguns peritos ocidentais que acompanharam os preparativos para esse exercício estimam que o número pode chegar a 80 mil homens.

Essas simulações estão sendo realizados em torno de Belarus envolvendo, além dos soldados, cerca de 70 aviões e helicópteros, 680 peças de equipamentos bélicos, incluindo 250 tanques, 200 peças de artilharia, lançadores múltiplos de foguetes e morteiros e dez navios de guerra.

Publicidade

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, advertiu que esse exercício realizado pela Rússia poderia ser um prelúdio para uma invasão de seu país. Por precaução, Kiev aumentou a segurança nas fronteiras do país.

A Otan, por motivos de segurança, movimentou 4.530 soldados para as fronteiras da Polônia, Estônia, Letônia e Lituânia, que fazem fronteira com a Bielorrússia e a Rússia. Em resposta, a Bielorrússia disse que as forças russas envolvidas no Zapad-2017 deixarão o país até o dia 30 de setembro, cerca de 10 dias depois do fim do exercício, que está previsto para acabar no dia 20.

Alguns analistas de segurança dizem que a Rússia provavelmente deixará algumas tropas na Bielorrússia, já que a maioria dos exercícios militares russos não coincide com as declarações oficiais de ambos os países.

Publicidade

O objetivo principal desse treinamento é integrar a sede militar de ambos os países em um cenário de combate real. A Bielorrússia mobilizou cerca de 7,5 mil homens e a Rússia em torno de 5,5 mil militares.

A TV estatal da Bielorrússia disse que 80 observadores ocidentais estão convidados a assistirem às simulações de guerra, entre eles estão funcionários da Otan e diplomatas postados na Bielorrússia. O ministro de defesa da Polônia, Antoni Macierewicz, fez declarações fortes sobre o exercício em Zapad-2017.

Ele disse que “o exercício é uma ameaça para nós, não importa o que a Rússia diga.” E completou dizendo: “Está longe de ser inofensivo, é agressivo e isso é muito perigoso para nós”.

O presidente da Letônia, Raimonds Vejonis, disse que "não devemos sucumbir à intimidação", descrevendo a Zapad como uma tentativa de fazer com que os estados do Báltico se sentissem inseguros. #zaped2017 #russiaebielorrussia #açãomilitarussa