Publicidade
Publicidade

Vinte pessoas, 12 mulheres e 8 homens, que participavam de um treinamento de prevenção contra o HIV/Aids foram presas em um hotel, neste sábado (17), no arquipélago de Zanzibar, na #Tanzânia, acusadas de serem homossexuais. As informações foram divulgadas pela polícia local. Naquele país, o sexo gay é crime e punido com até 30 anos de prisão para homens.

O chefe da polícia local, Hassan Ali Nasri, disse que eles estavam envolvidos em várias práticas sexuais com pessoas do mesmo sexo, o que é intolerável naquela região. Hassan Ali Nasri deu uma entrevista à tv local para falar sobre o assunto e disse que a polícia fez um bom trabalho em prendê-los no momento em que estariam em um treinamento num hotel para prevenção de HIV/Aids, e ainda disse que a polícia não pode fazer vista grossa com essas pessoas.

Publicidade

Segundo a agência AFP, o Ministério da Saúde local promete acabar de uma vez por todas com o incentivo dessas pessoas promovendo a #Homossexualidade. Em comunicado, um dirigente local disse que vai lutar contra esses grupos.

Há vários anos o país vem tentando acabar com práticas que considera estarem ligadas à homossexualidade, banindo tudo o que considera que possa favorecer o sexo gay. Um exemplo foi o que aconteceu no ano de 2016, quando o governo decidiu banir a venda de lubrificantes sexuais. O próprio Ministério da Saúde, na época, disse que essas vendas encorajavam as pessoas a praticarem o sexo gay, e por isso poderia expandir e disseminar o vírus HIV.

O mais curioso, é que a população da Tanzânia era a mais tolerante em relação à homossexualidade. Só que de uns tempos pra cá, isso veio mudando.

Publicidade

O estopim veio quando o governo decidiu radicalizar, assumindo um discurso anti-gay. É o que dizem os correspondentes estrangeiros no país.

Tanzânia não tolera homossexuais

O governo tanzaniano chegou a ameaçar prender todas as pessoas que promovessem a causa gay no país. Em notícia local, disse que expulsará todas as pessoas que defendessem a causa. Ainda em comunicado, o governo disse que as pessoas que defendem a homossexualidade serão levadas a países que aceitem essa prática. Todas as organizações que apoiem os direitos homossexuais não terão autorização para atuar no país.

Neste ano, foi feito o encerramento de centros de saúde na lutra contra a SIDA. Essa decisão foi duramente criticada pelos Estados Unidos. Vale lembrar que na Tanzânia a homossexualidade é intolerável e a punição é feita com penas severas e bastante rígidas. Pessoas que praticam a homossexualidade naquele país podem ficar até 30 anos presas. #Gays