Uma história digna de contos de terror aconteceu semana passada na Rússia. Após um homem encontrar o aparelho celular de um casal, ele viu imagens que causaram terror em todo país. Um casal que matou aproximadamente 30 pessoas fazia pratos decorados com carne humana e ainda gostava de ser fotografado com os restos mortais de suas vítimas. O "#Casal Canibal" está preso, mas novas imagens sinistras apareceram.

Uma nova foto misteriosa mostra o beijo do "#canibal russo" enquanto especialistas em forense afirmam que os restos humanos em conserva de sua última vítima foram encontrados em uma jarra de vidro em sua geladeira.

A #imagem bizarra foi revelada depois que surgiu suspeita que Natalia Baksheeva, 42, queixou-se de que ela foi ridicularizada por prisioneiros na prisão, com insultos regulares de: "Você comeu carne humana suficiente?".

Publicidade
Publicidade

Seu marido, Dmitry Baksheev, 35, está sendo mantido em confinamento solitário [VIDEO] em meio ao medo de que ele seja "espancado" por outros detentos.

Os frascos de vidro foram encontrados na casa do casal próximo a uma academia militar russa, juntamente com partes de corpo congeladas ainda não identificadas e "carne humana cozida no vapor". Entre os achados horríveis, estão as partes do corpo decapadas da última vítima dos assassinos Elena Vashrusheva, 35, de acordo com o site de noticia local, 'Moskovsky Komsomolets'.

O casal da cidade de Kransodar, confessou assassinar a garçonete "em um ataque de ciúme" depois que Natalia a acusou de tentar seduzir seu marido. Na prisão, Baksheev teria "reclamado" sobre a separação de sua esposa.

Viktor Belikov, um ativista de direitos humanos autorizado a conhecer o suposto canibal em detenção, disse: "É óbvio que ele ama muito a sua esposa e se preocupa com ela".

Publicidade

'Amor louco um pelo outro'

Belikov também visitou Natalia - cujo avô Konstantin Chanikov era um herói decorado da Segunda Guerra Mundial nas forças de Stalin, e disse que a dupla falava sobre seu "amor louco um pelo outro". Natalia disse a Belikov que "o que sente por seu marido é amor de uma mãe". Ela então se queixou de que outras duas mulheres que compartilhavam sua cela estão provocando a acusação de canibalismo.

O Comitê de Investigação da Rússia, que é semelhante ao FBI, está examinando uma suposta confissão da ex-enfermeira que ela e seu marido mataram e comiam pelo menos 30 pessoas. As supostas vítimas incluem mulheres que namoram usuários de um site e que desapareceram depois de se organizar para se encontrar com elas. O porta-voz Vadim Bugaenko disse que estão verificando "informações sobre assassinatos em massa" e ainda não há "confirmação".

No entanto, o casal agora mudou de tática e, ao admitir o assassinato de Elena Vakrusheva, eles reverteram uma confissão anterior e negaram que estavam envolvidos em assassinatos anteriores ou canibalismo.

Publicidade

"Dmitry já ouviu falar que os jornais o chamaram ele e sua esposa Natalia de canibais", disse Belikov. "Eu não diria que ele estava com raiva, sua reação foi mais melancólica. Mas ele nega totalmente ter comido carne humana".

Pratos e tortas de carne humana

Além das partes do corpo humano, a polícia encontrou vídeos com instruções sobre como canibalizar humanos no apartamento do casal. Eles também descobriram uma foto datada de 1999 que aparentemente mostrou um rosto humano sendo preparado como um prato cercado por laranjas. Dmitry "não parece bem, ele está deprimido" e os chefes da prisão se recusaram a colocá-lo em uma cela com os outros porque "ele poderia ser espancado".

Os relatórios dizem que Natalia fez e vendeu "tortas" suspeita de carne humana e até mesmo forneceu a restaurantes locais. O oficial de comunicação aposentado da força aérea, Sergey Labintsev, um amigo do casal, disse que de repente o atacaram com a falsa alegação de que ele tinha dormido com Natalia. "Eu também poderia ter sido comido", disse o pensionista. "Eu poderia estar morto. Na noite passada, tive um pesadelo que eles estavam me fazendo carne cozida no vapor ", brinca o homem. "E eu conheço essas pessoas há muitos anos e sempre as ajudei".