Publicidade
Publicidade

Sinead Connett, de 29 anos, escondeu sua gravidez de familiares e amigos, e acabou dando à luz no banheiro da casa que ela compartilhava com seu namorado. Também ele não tinha nem ideia dessa gravidez. Após o #parto, ela que não queria esse bebê, escondeu seu corpo, que foi encontrado somente quatro anos depois, na casa de seus pais, em Grimsby, na Inglaterra. Se desconhece tudo o que aconteceu com o bebêzinho, até porque a mulher já foi apanhada em várias e diferentes mentiras. Agora, ela foi condenada, mas são muitas as pessoas que discordam dessa pena.

A mulher teria um comportamento perfeitamente normal e ninguém suspeitava que ela fosse capaz de uma barbaridade como essa.

Publicidade

Tudo aconteceu quando a mulher engravidou, mas se desculpou a sua família e namorado, Jonathan Layfield, dizendo que estava com problemas de saúde, que explicavam seu estômago inchado. A mulher trabalhava de aeromoça e teria sido essa a razão para ela esconder sua gravidez, uma vez que ela não poderia voar, quando a gravidez avançasse.

Supostamente, ela teria entrado em trabalho de parto quando estava viajando de regresso da Turquia, mas foi já quando chegou em casa que ela teve esse bebê sozinha. Após a criança nascer, ela escondeu ele em seu carro, embrulhado em toalhas. Depois disso, ela se limpou e agiu normalmente. Apenas três dias depois é que ela deu sumiço no corpo, viajando 160 milhas até chegar na casa de seus pais, onde largou o corpo no esgoto.

Depois disso, ninguém suspeitou de nada, até o dia em que seu pai teve problemas no esgoto e chamou uma equipe para tratar isso.

Publicidade

Chegados no local, eles encontraram os restos mortais desse bebê e começaram investigando.

A #Polícia descobriu, pelo DNA, que a criança era filha de Sinead e foi aí que ela começou contando mentiras. É por essa razão que existem muitas dúvidas sobre o que aconteceu verdadeiramente, Como essa mulher mentiu desde o início, os investigadores têm dúvidas da sua palavra. Inicialmente, Sinead contou que foi estuprada por um taxista e seria por isso que ela não queria esse bebê. No entanto, os exames de DNA provaram que a criança era filha [VIDEO]de Jonathan Layfield, o seu namorado. No entanto, o estado de decomposição do corpo já não permite saber a causa de sua morte.

Depois, ela acabaria confessando que não queria engravidar nesse momento, porque isso prejudicaria sua carreira. Ela sabia que não poderia voar grávida e, por isso, ela teria escondido essa gestação e, mais tarde, o bebê.

No tribunal, todos ficaram horrorizados com o que essa mulher fez. Entretanto, ela já havia se casado com Jonathan, que esteve no tribunal assistindo a tudo. Ela foi condenada a doze meses de cadeia, uma pena muito baixa na opinião de muitas pessoas. "Ela matou um bebê", dizem alguns comentários, na internet. #Bebês