Publicidade
Publicidade

No último sábado, 7, a polícia da Dinamarca informou ter encontrado os restos do corpo da jornalista desaparecida Kim Wall. Os restos foram encontrados em uma baía no sul de Copenhague, mais precisamente na praia da cidade de Køge.

A jornalista sueca, de 30 anos, havia sumido no mês de agosto. Seu último paradeiro conhecido foi a bordo do submarino de fabricação caseira UC3 Nautilus, feito pelo inventor dinamarquês #Peter Madsen. A jornalista havia procurado Peter para uma entrevista sobre seus feitos e inventos.

O desaparecimento repentino da jornalista logo chamou a atenção de seu namorado, que procurou a policia, e, em pouco tempo, as investigações começaram.

Publicidade

Infelizmente o desfecho desta história foi trágico. Foi encontrada uma sacola de roupas que pertenciam a #Kim Wall e em outro saco estavam a cabeça e as pernas da jornalista. Ela foi morta e despedaçada em um crime cometido com requintes de crueldade.

O restando do corpo já havia sido encontrado flutuando no mar.

Desde que o torso da jornalista foi encontrado - 11 dias depois de seu desaparecimento - foi decretada a prisão preventiva de Peter Madsen sob a acusação de homicídio.

No pedido de prisão feito pelo promotor do tribunal de Copenhague, foi relatado que o corpo da jornalista foi encontrado com 14 facadas na barriga. E no computador de Peter Madsen foram encontrados vários vídeos de mulheres sendo agredidas e mortas - vídeos aparentemente reais.

Peter Madsen nega ser o autor do crime.

Publicidade

Segundo ele, a jornalista foi morta acidentalmente quando uma escotilha caiu sobre ela. Sobre os vídeos em seu computador, ele disse que não eram seus e que várias pessoas usavam seu computador. Ainda relatou que após o "acidente" de Kim, ele ficou navegando por várias horas pensando em cometer suicídio.

Peter não explicou por que o corpo da jornalista foi encontrado em pedaços.

No começo das investigações, ele tinha dado um depoimento afirmando que a jornalista desembarcou em terra firme. Então, após as evidências de seu crime [VIDEO], ele mudou o discurso e disse que Kim Wall morreu acidentalmente e que ele jogou seu corpo no mar.

A polícia dinamarquesa não concluiu as investigações, mas laudos preliminares afirmam que o corpo foi cortado de forma intencional. O corpo continha canos de metal afixados e apresentava feridas para extrair o ar de seu interior e não permitir que as partes do corpo pudessem subir à superfície. #Caso de polícia