Publicidade
Publicidade

Um dia após a ação militar [VIDEO] que tomou o poder dos meios de comunicação e edifícios governamentais, a situação política do Zimbábue continua indefinida. Confinado em sua casa e sob custódia das Forças Armadas, o presidente Robert Mugabe, de 93 anos, tem sido pressionado a renunciar ao cargo, que ocupa há 37 anos, desde que o país conquistou sua independência, em 1980.

País vizinho e com boas relações com o #Zimbábue, a África do Sul enviou líderes religiosos e representantes para mediarem as negociações entre os militares e Mugabe na residência do presidente, localizada em Harare, capital do país. As informações foram veiculadas pelo jornal britânico The Guardian.

Publicidade

Segundo a mídia presente na região, a crise política teria eclodido na última semana, quando Mugabe afastou seu vice-presidente, Emmerson Mnangagwa, em uma aparente tentativa de liberar o caminho para sua esposa, Grace Mugabe, chegar ao poder.

Ventila-se até que Mnangagwa possa estar por trás da ação militar, que foi justificada como um modo de “combater criminosos” no governo. Após ser afastado, o vice-presidente viajou até a África do Sul, país que está tentando intervir na crise política zimbabuana. Segundo a imprensa local, o clima na capital Harare é relativamente calmo, apesar da tensão política que se instalou no país. #África #Geopolítica