Hoje São Paulo acordou com depredações de manifestantes em concessionárias e nos seus carros das principais ruas de São Paulo. Diziam que eram manifestantes do Passe Livre.

Este movimento teve o auge no final do ano passado quando milhares de pessoas integrantes do Movimento Passe Livre caminhavam na principais ruas de São Paulo: Avenida Paulista, marginal Pinheiros e ponte Espraiada e pararam São Paulo. Os integrantes deste movimento conseguiram a simpatia dos moradores de São Paulo porque tinha um sentido: passe livre para os ônibus do município de São Paulo para os estudantes.

E agora foi o quê? Foi apenas e nada mais: vandalismo.

Publicidade
Publicidade

Quebrar por quebrar. Destruir por destruir! Se os líderes deste movimento estão bravos ou sentem-se ameaçados, não é assim, destruindo um bem privado. Mesmo se foi apenas para chamar a atenção, não é assim. Existem outras formas: pela internet, reunião com o prefeito ou pelo voto.

Creio que estas pessoas que cometeram este ato se perderam. Se esqueceram ou nunca aprenderam que violência gera violência. Que não devemos ter inveja dos bens dos outros. Se ele tem aquelas coisas é porque deu duro e mereceu. E se quisermos que nos respeitem, precisamos respeitar! Os carros e a concessionária não pertencem a ele e por isto não tinham o direito de quebrar.

O pior de tudo que estes manifestantes são mentirosos porque haviam assinado um acordo com a polícia para não quebrarem nada. Adiantou? Não, quebraram!

Manifestar-se através de violência, não é manifestar-se e sim apenas usar a violência!