Por quantas vezes ouvimos notícias sobre políticos que têm iates, empresas, apartamentos, cujos parentes possuem também incontáveis imóveis dentre outros bens no Brasil e no exterior? Que existe corrupção, isso é fato. Ninguém pode ser tão ingênuo a ponto de pensar que não há corrupção, mas será que todos são corruptos, sem excessão ? Sobretudo às vésperas das eleições, passamos a ouvir tudo sobre todos. A questão principal é: as fontes pelas quais as notícias nos chegam são fidedignas ou não? Pois, uma vez que somos bombardeados por notícias muitas vezes tendenciosas por todos os lados, precisamos estar atentos e preparados a fim de que, ao ouvirmos algo que não seja verdadeiro, possamos debater com o interlocutor, expondo nosso ponto de vista e opinião, ou, caso a notícia seja verídica, concordarmos e acrescentarmos adendos.

Publicidade
Publicidade

Mas como fazer isso? A resposta é simples e se chama INFORMAÇÃO. Entretanto essa informação deve vir de fontes confiáveis e não tendenciosas. Assistir aos telejornais, ler jornais e revistas, ouvir rádios que passam noticiários, informar-se através da internet, através de fontes seguras e não especulativas são todos meios de se obter base para noosss argumentos. A USP, por exemplo, oferece aulas gratuitas gravadas na internet sobre diversos e interessantes tópicos, como história, economia, e muito se pode aprender sobre política através de verdadeiros mestres no assunto. Ler bons livros a esse respeito também ajudam a formar uma opinião concisa e a ter uma visão mais verdadeira dos fatos.

Portanto, esteja atento: ao invés de acreditar e, o pior, repassar notícias tendenciosas por puro pré-julgamento, as quais nem se sabe se são embasadas na realidade ou não, procure informa-se de antemão a fim de evitar ainda mais que pessoas leigas ou de má índole propaguem ideias falsas que favoreçam os próprios interesses delas.

Publicidade

Desse modo, quando você votar, estará fazendo isso com plena consciência e conhecimento, certamente ajudando o país a tornar-se melhor.