Para explicar e entender o que se pretende com esse tema, dois tópicos serão abordados: um envolvendo o lado científico, o outro, o comportamento humano.

Com relação ao primeiro, o científico, a possível e óbvia resposta seria "não"! Mas por que então a dissipação da poeira não é proporcional ao tamanho das partículas? Explicar o "não!" da resposta é fácil: dependendo do que agitar uma poeira, ela pode ser dissipada no meio ambiente, umas com mais, outras com facilidade mais reduzida. Como assim? Bom, veja as explicações loucas.

Imagine você conduzindo seu luxuoso veículo em uma via não asfaltada lá pelas bandas do interior de onde você reside.

Publicidade
Publicidade

O que acontece? Poeira, muita poeira é "levantada ou dissipada" no ambiente ou estrada. Bom, a poeira e/ou as partículas levantadas são somente as de menor tamanho ou vai depender da relação massa x volume de cada uma? A resposta poderia ser sim, mas em síntese, vai ser não. O quê? Vou explicar melhor: a dissipação da poeira vai depender do estado em que ela se encontra, no caso, a umidade vai impedir que as partículas, mesmo as de menor tamanho/granulometria sejam dissipadas no ambiente, e isso é fato. É por isso que, sem saber, nossas queridas mamãezinhas de vez em quando gritam: "menino(a) - antes de varrer o terreiro, joga água nessa poeira seu/sua tapado(a)". Porquê do grito: para evitar danos ao sistema respiratório humano e consequente "grupe"; para evitar sujar a roupa limpa estendida no varal, etc.

Publicidade

Poderia citar outros exemplos, mas é melhor parar por aqui.

Já na segunda abordagem, no caso, abordando o comportamento humano, façamos o seguinte: no lugar de "dissipação da POEIRA" vamos trocar a palavra "POEIRA" pela palavra "NOSSA VOZ", e no lugar de "GRANULOMETRIA DAS PARTÍCULAS" vamos trocar por "NOSSA ATITUDE". Então a nova frase fica assim: A DISSIPAÇÃO DA NOSSA VOZ GERALMENTE É PROPORCIONAL À NOSSA ATITUDE? Bacana.

Nesse caso se pode dizer que sim, sem sombra de dúvidas, ou seja, a dissipação de nossa voz, até onde ela é ouvida, depende sim de nossas atitudes, nossos exemplos, e do que fazemos. A poeira incomoda e causa doenças ao sistema respiratório, mas a voz, nossa voz transmite nossas verdades e nossas mentiras. Nossa voz ou também nossa fala pode matar os anseios e/ou os sonhos das outras pessoas, mas, em contrapartida a nossa fala também pode edificar as pessoas e ajudá-las a construir o que querem nessa vida e quiçá, na do futuro, nesse caso, alimentar ou não os sonhos que creem que vão obter e/ou viver no futuro.

Dessas duas explicações, se analisadas mesmo que filosoficamente, se pode concluir que fatores diversos, tais como o estado da matéria (sólido - líquido - gasoso), bem assim nossas atitudes devem ser levado(a)s em conta nas decisões, interpretações, e ações que fazemos, pois as consequências podem ser boas, de um lado, mas também podem se revelar indevidas à nossa saúde física e/ou também mental, principalmente em relação às outras pessoas.