E em uma tranquila tarde de quinta-feira, enquanto a população de Belo Horizonte, assim como do resto do país, contava as horas para mais uma partida da seleção brasileira pela Copa do Mundo, eis que uma tragédia se abala sobre a cidade. Na região norte, em uma das avenidas mais importantes e movimentadas da cidade, um viaduto recém construído, mas ainda não inaugurado, desaba por inteiro, esmagando em segundos dois caminhões que estavam à disposição da obra, um carro de passeio e a parte da frente de um micro ônibus. Este viaduto, assim como outros quatro também recém construídos sobre a mesma avenida, fazem parte de um grande plano de expansão viária visando facilitar melhor mobilidade não só para moradores da região como também facilitar a chegada ao aeroporto internacional de Confins e mesmo ao estádio de futebol Mineirão.

Publicidade
Publicidade

Até aí, tudo bem e muito bem vindo, não fossem as suspeitas de algumas possíveis falhas nos projetos de construção atribuídas a uma certa pressa em se entregar as obras o quanto antes. Suspeitas essas sempre negadas e refutadas pelo poder público municipal. Se houve ou não falhas de projetos nos demais viadutos (alguns já liberados para uso), talvez agora haja reais possibilidades de se descobrir, uma vez que não há dúvida alguma de que algum erro foi cometido no viaduto que caiu. Com saldo de duas mortes e vinte e duas pessoas feridas, é inevitável afirmar que poderia ter sido pior, caso o terrível acidente houvesse ocorrido em horário de pico de trânsito ou mesmo em época de volta às aulas, em que milhares de estudantes transitam por ali diariamente. Vale lembrar que um outro ônibus com cerca de setenta passageiros havia passado sob o viaduto segundos antes da queda, como mostram imagens de câmeras de segurança da região.

Publicidade

Independente, porém, do triste e negativo saldo de vidas perdidas e afetadas tanto física quanto mentalmente, é dever legal e moral das autoridades investigar o que houve e punir os responsáveis, dando assim um retorno digno à população de Belo Horizonte. Suspeitas de superfaturamento das obras também estão sendo levantadas e em caso de comprovação, que se punam também os infratores da lei. Além disso, e talvez mais importante nesse momento, é uma detalhada e cuidadosa inspeção dos outros viadutos, prevenindo assim, uma possível nova tragédia. A bela cidade de Belo Horizonte e sua população não mereceriam isso.