Inaugurado durante a Copa Do Mundo, o Hospital Restinga e Extremo Sul possui a melhor infraestrutura de todas as instituições em funcionamento na Capital. Perdendo apenas para o antigo Complexo de Canoas da Ulbra, está em alta e muito evidente desde sua implantação. Uma promessa que foi muito esperada por seus moradores desde 1972.

Porém as condições não são nada agradáveis apesar da aparência: só há um clínico geral no atendimento, e poucos técnicos em enfermagem. Isso porque apesar das ajudas tanto de Governo Federal e Prefeitura, a instituição é de propriedade da Fundação Hospital Moinhos de Vento. Ou seja os funcionários devem ser contratados pela Fundação, não através de concursos públicos.

Publicidade
Publicidade

Vale lembrar que o último concurso da Prefeitura de Porto Alegre ocorreu em 2012, e somente agora estão chamando os classificados. Para eles, os mesmos devem ficar nas unidades controladas pela mesma, como o Pronto Socorro e os postos de saúde. E como o Pronto Atendimento da Restinga era em sua maioria médicos concursados, muitos foram designados para outras unidades.

Na semana passada durante a Copa, o jornal Diário Gaúcho de Porto Alegre publicou um anúncio da Fundação contratando 20 técnicos em enfermagem. Um detalhe, é que em março a instituição já estava fazendo as seleções, mas poucas pessoas ficaram na fase final. E quando foi na última semana antes da inauguração, colocaram o anúncio no jornal.

No projeto original, estão colocados que teremos especialidades como ginecologia e obstetrícia.

Publicidade

Mas com as aparelhagens que vieram do exterior, deu para se perceber que no futuro teremos cardiologia e traumatologia, especialidade que na Restinga está carente desde 1992, quando então era o Hospital Parque Belém.

O objetivo é bem claro: além de ter um atendimento médico próximo da Zona Sul, será possível atender também pacientes de outras cidades como Viamão e até do Litoral Norte como Cidreira, Pinhal e Palmares do Sul. Só que para estas cidades, em especial Viamão, o governo vai ampliar o hospital, para que haja especialidades nestes municípios e não tenha superlotações.