Já viu um zumbi pessoalmente? Acredita que eles existam? Infelizmente passamos a acreditar que sim, pois há muita semelhança entre o que pensamos ser um zumbi e um usuário de crack: o andar lento e desconcertado, os olhos vidrados...

O crack é uma droga que deriva-se da cocaína, que por si só já causa grande dano ao organismo, porém o crack causa ainda mais, por ser uma espécie de cocaína não refinada, portanto é mais barato.

O crack tem um poder cinco vezes maior que a cocaína e dá ao usuário uma incrível sensação de bem-estar. Porém, seu efeito passa muito rápido, e o que era uma sensação de euforia passa a ser como a de um pesadelo.

Publicidade
Publicidade

Usuários dessa droga sentem-se frequentemente muito cansados, sentem tremores, depressão, apatia. Vivem com o nariz entupido. Tossem constantemente. Chegam a perder o absurdo de 10 quilos em uma semana. Sofrem delírios, alucinações e às vezes até sintomas paranoicos.

Devido a todos esses sintomas, tornam-se violentos e muitas vezes não conseguem comportar-se adequadamente em sociedade.

Os dependentes de crack também geralmente apresentam queimaduras no rosto, no queixo e nas mãos por manipular fósforos e isqueiros de forma descontrolada.

O crack ainda provoca lesões cerebrais, o que causa problemas com a memória, a concentração e o raciocínio, e muitos sofrem AVC.

Esses dependentes são em sua grande maioria pessoas de origem humilde, geralmente criadas apenas pela mãe. Muitos possuem histórico no conselho tutelar, se envolvem com tráfico de drogas, roubos e furtos e até prostituição.

Publicidade

O que fazer?

Há alguns programas de ajuda que estão agindo e ajudando vários jovens na Cracolândia, em São Paulo. Um deles é o "Braços Abertos". No entanto, é preciso aumentar as ações nos locais ocupados por essas pessoas, e buscar por elas ao invés de esperar que elas busquem por ajuda.

O usuário tem que ter o desejo de manter-se afastado do uso da droga, junto a isso deve haver o apoio por parte da família e dos amigos, a fim de conseguir um tratamento que muitas vezes inclui vários setores - psicológico, educacional, de saúde, etc - para ajudá-lo a livrar-se do vício, para que possa ter uma vida normal.

Sei que é uma utopia, mas seria lindo se existisse uma sociedade sem zumbis.