As políticas econômicas do Brasil são identificadas como política monetária, política cambial e política fiscal. As políticas monetárias são políticas que se referem à moeda. Representam um conjunto de medidas usadas pelo governo do país, que buscam adequar os meios de pagamento disponíveis às necessidades do sistema econômico. Ela é executada pelo Banco Central, que é o Banco dos Bancos e que envolve o mecanismo para atingir metas que são as reservas bancárias, operações com título público e controle da taxa de juros. Ela é a política econômica mais eficaz para controlar ou combater a inflação. Quando o governo reduz o volume de moeda em circulação no mercado, provoca a diminuição do consumo e, por consequência, a redução da inflação.

Publicidade
Publicidade

A política Cambial está fundamentalmente baseada na administração da taxa de câmbio e no controle das operações cambiais. Ela é voltada para o setor externo da economia e atua sobre todas as variáveis relacionadas às transações econômicas do país com o exterior. Ela deve ser administrada de modo a evitar conflitos com outras políticas econômicas e promover seu desenvolvimento econômico. A taxa de câmbio representa a alíquota de conversão entre moedas de diferentes nações, que corresponde a uma proporção entre a moeda nacional e a moeda estrangeira.

A política Fiscal direciona suas preocupações para os impostos cobrados da sociedade e para o gasto do setor público, visando por meio de maior eficácia no equilíbrio entre arrecadação tributária e a despesa do governo, atingir objetivos sociais e macroeconômicos.

Publicidade

O Brasil precisa ter moeda estrangeira para pagar as dívidas externas do governo e de instituições privadas, é por isso que a manutenção de um certo nível de reservas cambiais é desejado. O Banco central se preocupa com entradas e saídas de moeda estrangeira no país. Sempre que acontecer uma conversão de moeda estrangeira para reais, ocorre uma expansão da emissão de moeda, estimulando a inflação. A economia como ciência social, tem como função administrar recursos escassos na produção de bens e serviços a fim de atender às necessidades humanas.