Dizer que um bom salário e benefícios em troca das horas que se vende é melhor do que um bom ambiente de #Trabalho, pode-se dizer que é o mesmo que transitar em vias de mão dupla. Há pessoas que acham que um bom salário e benefícios é tudo o que importa, mas há também quem diga que não! Para esse segundo grupo de pessoas o que prevalece é um bom ambiente de trabalho, adequado às suas necessidades, entre elas, a segurança, a qualidade de vida e outras que de certa forma acabam refletindo-se no próprio lar.

O conceito de salário e remuneração, de acordo com alguns teóricos se difere. Salário se trata do valor firmado em contrato de trabalho. Já os benefícios tratam dos valores que podem ser agregados ao salário, por exemplo, gratificações, horas extras, adicionais (periculosidade, insalubridade, noturno, etc.), entre outros.

Com relação ao bom ambiente de trabalho, algumas pessoas citam ser aquele organizado, limpo, bem ventilado, iluminado, com materiais, ferramentas, equipamentos, etc. adequados à realização de suas tarefas. Sobretudo, supõe-se ser aquele onde as relações humanas realmente funcionam, ou seja, as pessoas (claro) se respeitam, cada trabalhador é considerado em seu posto de trabalho, existe segurança do trabalho, assistência social, médica, e odontológica extensiva à família, liderança, etc. Há os que defendem que um bom ambiente de trabalho oferece e cuida do plano de carreira, do salário etc.

A analisar essas questões (sintetizadas) percebe-se que salário carregado ou não de benefícios e bom ambiente de trabalho possuem considerações diferentes. O bom salário pode não sobressair necessariamente de um ambiente onde há satisfação no executar das tarefas, sejam elas quais forem. Já um bom ambiente de trabalho entende-se ser aquele onde existem diversas formas de conforto, porém pode não ofertar um bom salário ou benefícios.

Um “bom ambiente de trabalho” ou salário indireto, para muitas pessoas se trata daqueles onde certos valores ou benefícios (não necessariamente financeiros) não são mostrados no contracheque do indivíduo, mas se encontram disponíveis 24 horas por dia, inclusive à família do trabalhador bastando precisar utilizá-lo.

Entender isso nem sempre parece ser fácil, mas é muito comum saber de empresas praticando essa filosofia, cabendo a percepção e a opção de aceitar ou não ao indivíduo. Dessa forma pode haver pessoas que entendam as diferenças e as aceitem, mas o contrário também é verdadeiro.

Uma coisa é fato: ninguém é obrigado a fazer ou optar por aquilo que não lhe importa ou lhe seja desvantajoso.