A água antes era um bem natural, abundante e acessível a todos, agora ela se tornou um bem econômico limitado e escasso. A transformação da água, de bem natural para produto escasso, criou o novo paradigma da economia da água, com isso, surgiram novas oportunidades de negócios para as empresas e um novo movimento de conscientização social e de novos desafios tecnológicos.

Esses fatores contribuíram para o surgimento de um novo fenômeno, a onda azul, que representa uma tendência global na busca de soluções para a crise hídrica, que se agrava em todo o mundo. Se continuar o alto consumo e o grande desperdícios de água nas cidades e no campo, vai faltar água e também vida em todo o planeta.

Publicidade
Publicidade

As empresas já estão conscientes disso, porque a água já é considerada um bem econômico e escasso, e seu consumo deve orientar-se pelos princípios da eficiência e da otimização do seu uso. É cada vez maior o número de empresas que desenvolveram processos de reutilização, reaproveitamento e redução de consumo da água e de novas formas de captação.

A escassez de água e o nível excessivo de poluição das águas são dois problemas graves que preocupam governos, empresas e sociedades. Tais problemas configuram o fenômeno denominado crise hídrica, que é a falta de água provocada pelo elevado consumo na sociedade e nas empresas. As empresas já começaram a fazer sua parte e agora é o momento da sociedade civil entrar em cena com mais vigor e presença. 

Em alguns países, já observamos uma mobilização e conscientização na busca da preservação de nossas reservas fluviais e de melhor aproveitamento de nossos recursos hídricos.

Publicidade

A crise hídrica tem sido fonte de oportunidades para muitas empresas, pois elas aprimoram seus sistemas e modelos de gerenciamento de água, desenvolvem novas tecnologia, produtos e serviços.

As empresas industriais, em sua grande maioria, além de poluírem o meio ambiente, conseguem fugir das multas e regulamentações imposta pelos governos locais, contornando as obrigações legais e éticas, essas sim,  precisam conscientizar urgentemente.  #Natureza