A preocupação com o Ebola há muito tempo deixou de ser só dos países da África e passou a ser mundial. Pouco a pouco, novos casos vão aparecendo fora dos países nos quais a epidemia é intensa. A Espanha e os EUA já registraram casos de transmissão do vírus em seus países. O número de mortos por ebola chega a 4.447, segundo dados da OMS. Por isso é importante que todos fiquem atentos às maneiras de prevenção da doença, principalmente as pessoas que vão viajar para fora do país. Veja como não pegar o vírus Ebola.

Previna-se contra o vírus Ebola

Evite o contato com fluídos: a doença é transmitida através do contato direto com fluídos corporais de uma pessoa doente.

Publicidade
Publicidade

Por isso é importante não ter contato com sangue, vômito, sêmen e saliva de pessoas doentes.

Cuidado com olhos e pele: caso o fluído infectado caia nos olhos ou na pele, é necessário lavar imediatamente com gel ou sabão bactericida. Já no caso dos olhos os riscos são maiores. É importante a lavar com água corrente imediatamente.

Cuidado com lavanderias: as roupas e demais objetos usados por um doente devem ser higienizados separadamente, pois o sangue vindo da hemorragia, que é um dos sintomas da doença, é uma via de transmissão do vírus.

Lave as mãos: lavar as mãos com frequência ajuda não apenas a evitar a contaminação com o vírus ebola, mas também outras doenças como a gripe. Por isso, mantenha as mãos limpas.

Evite viajar para países com a epidemia: Guiné, Libéria e Serra Leoa são os países africanos que têm milhares de mortes causados pelo ebola.

Publicidade

Caso seja extremamente necessário ir a esses locais, ao voltar, se notar qualquer sintoma do ebola, procure imediatamente o serviço de saúde. Vale lembrar que os sintomas do ebola são: dor de garganta, dores musculares, vômitos, diarreia, febre, dor de cabeça e fraqueza intensa. Por último há sangramentos internos e externos.

Uso de preservativos: sêmen também transmite o vírus. Por isso, os sobreviventes precisam usar preservativos por pelo menos 90 dias após a alta médica.

Quer saber mais sobre o Ebola? Clique aqui e leia essa outra notícia sobre o caso suspeito no Brasil.