Vários estados de nosso país estão sofrendo com a seca, falta de chuvas, clima quente e aumento na tarifa da energia elétrica. Em meio a essas condições, entra em vigor nesse domingo, dia 19 de outubro, o horário de verão em três regiões de nosso país: Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

São três regiões importantes no fornecimento de energia elétrica para todo o país, respondendo por mais de 75% de geração de energia elétrica.

O horário de verão terá a duração de 126 dias, indo do dia 19 de outubro até 22 de fevereiro de 2015, em mais de dez estados, sendo eles: São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Espírito Santo e Distrito Federal.

Publicidade
Publicidade

Á 0h (meia noite) de sábado para o domingo dia 19, os relógios devem ser adiantados em uma hora. O horário de verão constitui uma boa alternativa para reduzir o consumo de água nessas regiões, onde estão enfrentando umas das piores estiagens dos últimos anos.

Segundo o #Governo, a expectativa é que ocorra uma redução no consumo de energia elétrica e uma queda de 0,4% no uso da água das hidrelétricas. Os níveis dos reservatórios das hidrelétricas do Sudeste e Centro-oeste que correspondem a 70% da geração nacional de energia estão em 22,09%, o pior resultado desde 2001, quando o país passou por racionamento.

Estimam que esse período de horário de verão possa gerar uma economia para os consumidores de R$ 278 milhões, devido à redução do uso de energia elétrica e à disponibilidade de luz solar.

Publicidade

Segundo o Ministério de Minas e Energias, o período é favorável para a realização de manutenções nas redes, redução de pressão ao meio ambiente e nas tarifas cobradas pelos serviços.

Portanto, além dos aspectos observados, aderir ao horário de verão constitui uma saída para evitar os possíveis "apagões", devido à crescente demanda do uso de energia elétrica no Brasil e o setor elétrico que não consegue acompanhá-la. Além disso, o horário de verão é uma importante iniciativa ambiental, social e econômica.