Quem nunca escutou os dizeres "quando dói no bolso as pessoas começam a respeitar"? Foi mais ou menos com esse conceito que a prefeitura do Rio lançou dia 20 de agosto de 2013 o programa Lixo Zero. Com o intuito de deixar as ruas da cidade mais limpas, a ação aplica multas em quem jogar lixo no chão.

Funciona assim: equipes formadas por agentes da Comlurb, guardas municipais e policiais militares abordam a pessoa que estiver cometendo a infração e aplicam a multa de acordo com o tamanho do produto descartado, com valores que podem variar entre R$ 170 e R$ 3,4 mil. Já que a cidade está cheia de gente pouco civilizada, esta foi a forma que a prefeitura encontrou para alertar a população sobre a importância de não se jogar lixo na rua, uma atitude que deveria ser óbvia.

Publicidade
Publicidade

Hoje, o programa atua em 97 bairros e conta com 400 profissionais. Pouco mais de um ano após a implantação do Lixo Zero, será que as metas traçadas lá em 2013 se concretizaram? Vamos aos dados. Quase 70 mil multas foram aplicadas desde então, a maioria devido ao descarte irregular de guimbas de cigarro. Dessas, apenas 23 mil foram pagas. A população anda reclamando que as ações perderam força no subúrbio, a orla da Zona Sul é a mais beneficiada. A Comlurb diz que houve remanejamento para regiões que necessitam de mais fiscalização. Moradores de áreas beneficiadas pelo programa acreditam que a ação fez efeito e que as pessoas estão mais "educadas".

O presidente da Comlurb, Vinícius Roriz, diz que as multas aplicadas giram cerca de R$ 5 mil por mês e espera que esse número diminua com o tempo.

Publicidade

Em entrevista recente ao EBC, ele diz que o próximo foco será em problemas que ainda são frequentes na cidade como o descarte irregular de entulho de obras, as caçambas irregulares e a colocação de lixo domiciliar fora do horário de coleta.

A iniciativa é boa e tem a intenção de se fazer cumprir a Lei de Limpeza Urbana. Pense bem antes de jogar seu lixinho no chão. Mas não faça isso só para evitar ser multado, faça isso pela sua consciência, pois mais vale um lixo na lixeira do que o status de porcalhão.