Politicamente incorretos. Os brasileiros ainda se deixam levar por questões individualistas e não entendem que política deve ser conduzida de maneira séria, onde o interesse não deve ser próprio, mas comum. E está longe dessa história mudar. Minha filha é estudante de uma unidade do SESI-SP, e recentemente, dias após o primeiro turno das eleições, ela trouxe da aula comentários de professores que se declararam pressionados pela diretoria da entidade.

Se manifestaram indignados pela postura da entidade que se portou intensamente tendenciosa, ignorando o direito ao voto secreto e usurpando a liberdade do cidadão professor, questionando sempre em relação à intenção de voto dos profissionais que trabalham nessa empresa.

Publicidade
Publicidade

Durante todo o pleito eleitoral, houve visitas constantes de diretores e outros funcionários da unidade distribuindo material impresso e fazendo discursos de ordem política aos alunos e professores. Um dos professores lamentou essa postura, e chegou a dizer aos alunos que caso fosse indagada novamente sobre sua intenção de voto teria que mentir sobre sua preferência de candidato, com medo de represália ou perda do seu emprego.

Quando ouvi isso de minha filha, que tem 16 anos e está começando a adquirir consciência política, tive que concordar com a famosa frase de Charles de Gaulle, que esse não é um país sério, e como já disse, infelizmente, está longe de ser.

Uma repartição educacional, que visa formar pessoas, cidadãos de bem, nunca poderia incitar esse tipo de prática, onde o trabalhador, nesse caso professores de ensinos fundamental e médio, se veem entre a cruz e o punhal, e assumem-se mentirosos diante de seus alunos com receio de perderem seu trabalho, e repassam a opressão que o sistema corrompido da nossa política traz há décadas.

Publicidade

É essa a postura dentro do seio educacional de nosso país? Essa é a "#Educação" que damos como exemplo aos nossos filhos, futuros cidadãos? Se isso parte de dentro das escolas, onde se tem por objetivo educar, temo imensamente o futuro desse país. Isso deve nos deixar em estado de alerta. Estariam nossos filhos recebendo ensinos "hitlerianos" disfarçados de educação estudantil? Na minha opinião creio que sim, pois em meu lar, me vejo obrigado a refazer o discurso do que realmente é o correto com relação a educação, preceitos, moral e civilidade.